Ministro sudanês rejeita acusação de genocídio

O chanceler do Sudão repudiou a acusação feita pelo Congresso americano, de que há um genocídio em curso na região de Darfur, no oeste do país. Milícias árabes vêm massacrando a população negra da área. Falando a jornalistas antes de se reunir com o chefe de política externa da União Européia, Javier Solana, o ministro Mustafa Osman Ismail disse que seu governo vem fazendo o possível para resolver a crise. Ismail fez pouco caso da resolução aprovada pelos congressistas dos EUA, declarando haver um ?genocídio? em Darfur.?O Congresso é sempre tendencioso. Eu diria o que os africanos que estão preocupados com a situação dizem?, afirmou Ismail. ?Eles emitiram declaração numa cúpula africana dizendo que não há genocídio em Darfur?. Em reunião realizada na Etiópia, a União Africana pressionou o Sudão a ?neutrlizar? os milicianos árabes e outros grupos envolvidos em maciças violações de direitos humanos, mas disse que os crimes não caracterizam genocídio.A União Européia, os EUA e grupos internacionais acusam o governo sudanês de apoiar a ação das milícias, alegação que a administração sudanesa nega.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.