Ministro turco da economia renuncia para se candidatar

O ministro de Economia da Turquia, Kemal Dervis,arquiteto da ajuda de US$ 16 bilhões concedida ao país peloFundo Monetário Internacional (FMI), renunciou neste sábado para candidatar-se nas eleições de novembro e formar um governopró-europeu que impeça a vitória de algum partido islâmico. O trabalho de Dervis foi crucial para assegurar o apoio do FMIem forma de créditos à medida em que a Turquia tentarecuperar-se de sua pior recessão econômica desde a SegundaGuerra Mundial. A Turquia é um dos maiores devedores do Fundo. Para substituir Dervis, o primeiro-ministro Bulent Ecevitescolheu o parlamentar Masum Turker, do Partidoda Esquerda Democrática. A nomeação foi enviada em seguida aopresidente Ahmet Necdet Sezer para sua aprovação. "Turker manterá o programa econômico com o maior cuidado e seconcentrará nas medidas para melhorar a produção. A renúncia deDervis não causará problemas porque o programa não está baseadonas pessoas", disse Ecevit durante uma entrevista coletivaconjunta com Turker. "Todos os aspectos do programa econômico serão mantidos",disse Turker. Políticas que ele classifica como populistas, tais como a abertura decréditos baratos, "não serão permitidas antes das eleições". Dervis, destacado por seus esforços para salvar a economia dopaís, é um dos mais populares dirigentes turcos, assim como umdos que geram mais confiança. Os liberais deste país de maioria muçulmana, que no entanto ésecular, o vêem como uma esperança para impedir a chegada aopoder do dirigente pró-islâmico Tayyip Erdogan, do Partido deJustiça e Desenvolvimento. O secular Exército turco obrigou um governo islâmico a deixaro poder em 1997 e a candidatura de Erdogan é vista como umaameaça ao regime secular, além de preocupar os mercados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.