Ministros aprovam reforma da Otan

Os ministros da Defesa dos 19 países membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) aprovaram uma reforma radical no comando militar da aliança, demolindo a estrutura dos tempos de Guerra Fria e mudando o foco para a guerra contra o terrorismo e outras ameaças. "Esta é uma nova Otan, uma Otan transformada", disse George Robertson, secretário-geral da aliança atlântica, que qualificou as mudanças como as mais radicais nos 54 anos de história da organização."Eles reformaram profundamente as estruturas militares da aliança e elevaram bastante suas capacidades militares", disse Robertson, sobre a reunião dos ministros de Defesa. "Trata-se de uma reforma histórica", disse o secretário de Defesa dos EUA, Donald H. Rumsfeld. "Essa é uma organização saudável que se reestrutura para lidar com os desafios do século 21".Os ministros também aprovaram uma redução de 40% no número de bases da aliança, como parte de um plano para modernizá-la. "Nossa intenção é tornar a aliança mais ágil para enfrentar as novas ameaças à segurança mundial, como o terrorismo e a proliferação de armas de destruição em massa", disse Robertson.Com a nova estrutura de comando, haverá apenas três bases regionais - Nápoles (Itália), Brunnssum (Holanda) e Lisboa (Portugal). Além disso, será criada uma força de intervenção rápida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.