Ministros da Defesa das Coréias se reúnem em Pyongyang

Temas como a definição da fronteira marítima e área de pesca comum devem ser discutidos no encontro

Efe,

27 de novembro de 2007 | 10h13

Os ministros da Defesa das duas Coréias iniciaram nesta terça-feira, 27, em Pyongyang, uma reunião de três dias em clima de preocupação para discutir problemas que podem provocar disputas, como a da fronteira marítima ocidental, informou a agência de notícias sul-coreana Yonhap. As conversas entre os ministros da Defesa do Sul, Kim Jang-soo, e o norte-coreano, Kim Il-chol, tem como objetivo relaxar a tensão na península e criar garantias de segurança para os projetos de cooperação econômica. O representante sul-coreano insistiu em criar uma área de pesca comum na fronteira marítima para evitar conflitos militares nas águas, ricas em recursos pesqueiros. Pyongyang se recusa a reconhecer a fronteira desenhada pelas forças da ONU lideradas pelos EUA no final da Segunda Guerra Mundial. Em outubro, os líderes das duas Coréias se reuniram e decidiram uma série de medidas de reconciliação, incluindo uma área de pesca comum e um cinturão de paz em torno da fronteira. No entanto, ainda há divergências em como desenvolver o projeto de distensão militar. Esta é a segunda reunião entre os ministros da Defesa das duas Coréias desde 2000. O início da reunião coincidiu com a chegada de diplomatas e especialistas nucleares de Coréia do Sul, EUA, Japão, China e Rússia a Pyongyang para controlar o desmantelamento das principais instalações nucleares norte-coreanas. A viagem ao complexo nuclear de Yongbyon representa um novo passo no desenvolvimento do plano para a o fim do programa nuclear norte-coreano. O porta-voz do Sul Lim Sung Nam disse à imprensa que a equipe visitará Yongbyon na quinta-feira, uma área situada a 90 quilômetros da capital norte-coreana. A embaixadora chinesa para Assuntos da Península da Coréia, Chen Naiqing, afirmou não crer que haja dificuldades durante a visita.

Tudo o que sabemos sobre:
Coréia do NorteCoréia do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.