Ministros da UE apóiam sanções limitadas ao Irã

A União Européia, impulsionada pelo teste nuclear realizado pela Coréia do Norte e pelas sanções estabelecidas ao país pela ONU, decidiu apoiar sanções limitadas ao Irã. A decisão foi tomada depois que o governo de Teerã descartou a possibilidade de dialogar sobre seu programa nuclear.Os ministros do Exterior dos 25 países da União Européia, que estão reunidos em Luxemburgo, indicaram apoio à medidas contra materiais e indivíduos presentes no Irã envolvidos com o enriquecimento de urânio, que pode ser usado para fazer uma bomba atômica.Depois de quatro meses de conversas com Javier Solana, representante da política externa da União Européia, o governo de Teerã rejeitou o pedido da UE de suspender o enriquecimento de urânio no país.Os ministros pediram que tanto o Irã quanto a Coréia do Norte retornem às negociações com a comunidade internacional sobre seus programas nucleares.Philippe Douste-Blazy, ministro do exterior francês, afirmou aos jornalistas que a recusa do Irã de abandonar o enriquecimento de urânio deixa a UE "sem escolha". Para ele, "o Conselho de Segurança deve adotar medidas graduais em relação às atitudes iranianas".O ministro alemão Frank-Walter Steinmeier afirmou que este é "o primeiro passo da sanção", mas reforçou a idéia de que os países da UE podem dialogar com o Irã caso o governo de Teerã esteja disposto.Os ministros da UE afirmaram que o teste nuclear realizado pela Coréia do Norte impulsionou a decisão do grupo de resolver a questão iraniana, apesar dos interesses econômicos em relação ao Irã estarem distantes.Alberto Navarro, secretário de Estado espanhol para Assuntos Europeus, afirmou que as sanções impostas ao Irã serão graduais já que, ao contrário dos Estados Unidos, a Europa depende do petróleo iraniano.Em um documento, os ministros lamentaram o fato de o governo de Teerã não ter suspendido seu programa nuclear e afirmaram não ter outra opção a não ser entrar no Conselho da ONU com a resolução 1696, que pede o fim do enriquecimento de urânio, e impor sanções ao Irã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.