Ministros da UE concordam em ajudar Irlanda

Os ministros de Finanças da União Europeia e da zona do euro concordaram, em princípio, durante teleconferência, em destinar parte do fundo de 750 bilhões de euros para ajudar a Irlanda. De acordo com um diplomata, que falou à agência AFP, o Reino Unido e a Suécia também concordaram em contribuir com uma ajuda bilateral direta, embora nenhum número específico estivesse imediatamente disponível.

Agência Estado

21 de novembro de 2010 | 18h43

Participante da teleconferência, o ministro de Finanças da Bélgica, Didier Reynders, disse que a ajuda internacional à Irlanda totalizará "menos de 100 bilhões de euros". Já o ministro de Finanças da Eslováquia, Martin Jaros, disse que a Irlanda pediu ajuda formalmente.

Ministros do G-7, grupo composto por Estados Unidos, Japão, Canadá, Reino Unido, França, Alemanha e Itália, também discutiam o socorro, considerado necessário para evitar que o caos no endividado sistema bancário irlandês contamine o sistema financeiro global.

Os detalhes das condições de ajuda "ainda têm de ser discutidos pela Comissão Europeia, pelo Fundo Monetário Internacional e pelo Banco Central Europeu com o governo da Irlanda", disse a fonte. Em Dublin, negociações de emergência envolvendo dezenas de especialistas internacionais já entram na quarta noite. A Irlanda possui um déficit orçamentário que beira os 30% do PIB. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
IrlandacriseEuropa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.