Ministros da UE são contra mudança de regime à força no Iraque

Os Ministros das Relações Exteriores da União Européia disseram que as Nações Unidas devem conduzir os esforços para desarmar o Iraque e alguns criticaram a intenção dos EUA de mudar o regime no país. A França, que tem poder de veto no Conselho de Segurança das Nações Unidas, reafirmou sua oposição a um modelo de resolução que ameaça utilizar força militar contra o Iraque e disse que estabelecer mudança no regime iraquiano viola a lei internacional. "Não queremos dar carta branca para uma ação militar", disse o ministro das Relações Exteriores francês, Dominique de Villepin, em artigo escrito ao Le Monde por conta da reunião de ministros ocorrida em Bruxelas para discutir o conflito no Iraque e Oriente Médio.O ministro belga, Louis Michel, afirmou ser totalmente contra um ataque. "Se a conclusão dos inspetores de armas for positiva e provar que realmente há o perigo da existência de armas de destruição em massa, então o Conselho de Segurança decidirá (o que fazer), mas não agora", afirmou. A ministra sueca Anna Lindh afirmou que, mesmo aceitando que Saddam Hussein é um ditador terrível, livrar-se dele não é o objetivo das Nações Unidas. "O objetivo e a meta é livrar-se das armas de destruição em massa", disse. O ministro alemão Joshka Fischer afirmou que a oposição do governo de seu país à guerra não mudou, mesmo diante das acusações norte-americanas de que tal posição "envenenou" a relação de ambos países. O diretor de Relações Exteriores da União Européia, Javier Solana, disse que o papel das Nações Unidas é solucionar o conflito e que a Europa não está dividida em relação a isso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.