Valter Campanato/ Agência Brasil
Valter Campanato/ Agência Brasil

Ministros das Relações Exteriores e do Meio Ambiente sintetizam alinhamento com Trump

Analistas de política externa consideram que o Jair Bolsonaro deveria, em nome da construção de uma relação positiva com o democrata, substituir os ministros Ernesto Araújo e Ricardo Salles

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

06 de novembro de 2020 | 22h53

BRASÍLIA - Uma possível vitória de Joe Biden deve elevar a pressão por trocas na cúpula do governo de Jair Bolsonaro. Analistas de política externa consideram que o presidente deveria, em nome da construção de uma relação positiva com o democrata, substituir os ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Ricardo Salles (Meio Ambiente). A dupla sintetiza hoje o alinhamento ao republicano Donald Trump e ao rebaixamento da agenda verde, que deve ser convertida em prioridade com Biden na Casa Branca.

Araújo é lembrado em Washington por sua devoção a Trump, a quem se referiu como “salvador” da civilização ocidental, antes mesmo de assumir a chancelaria. Ele também é conhecido por criticar o que chama de “climatismo” e desacreditar evidências do aquecimento global. Salles, por sua vez, é associado às queimadas florestais e ao enfraquecimento de normas ambientais em prol da exploração econômica.

Uma troca nos ministérios, na visão de observadores da diplomacia internacional, poderia arejar as relações de alto nível político e sinalizar a disposição de diálogo. A avaliação é compartilhada por acadêmicos, militares e diplomatas, defensores de uma política mais pragmática e menos ideológica.

Carlos Gustavo Poggio, americanista e professor de Relações Internacionais na Fundação Armando Álvares Penteado (Faap), afirma que caberia ao Brasil se mover e sinalizar abertura em direção a Biden, e não o contrário. Foi o governo Bolsonaro que escolheu os EUA como “aliado preferencial”. A Casa Branca enxerga o Brasil como parceiro estratégico, mas nunca colocou o País como prioridade de sua política externa.

“Vejo a possibilidade de substituição do Ernesto Araújo por um ministro um pouco mais competente e experiente. Dentro do Itamaraty temos nomes bastante importantes e com capacidade para reconstruir as relações com os democratas. Vai depender de quanto o governo Bolsonaro vai deixar esse ministro trabalhar”, afirma Poggio.

“Bolsonaro vai buscar moderação como fez em relação ao Congresso e ao STF. Ele é suficientemente inteligente para saber que não adianta confrontar a realidade aqui dentro e lá fora”, diz o embaixador Paulo Roberto de Almeida, ex-diretor do Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais (IPRI), ligado ao Ministério das Relações Exteriores.

Crítico de Ernesto Araújo, ele é cauteloso em apostar numa mudança nos rumos do Itamaraty.

Valorização da China. O general de Exército da reserva Maynard de Santa Rosa, ex-secretário de Assuntos Estratégicos de Bolsonaro, prega um “repensar” da política externa, uma acomodação que, para ele, passa pela valorização de parcerias com os asiáticos, sobretudo a China. O oficial é ideologicamente alinhado com Bolsonaro.

Para Entender

Trump ou Biden? Ferramenta mostra quem venceria hoje nos EUA

A cada dia fazemos 10 mil eleições simuladas, com dados das pesquisas mais recentes, para estimar o resultado mais provável em cada Estado e no colégio eleitoral

Santa Rosa pondera que o governo tentará abrir canais de diálogo, um padrão na diplomacia, e, se não funcionar, “posteriormente as circunstâncias podem levar a uma mudança, mas não de imediato”. “O Brasil pode, por conveniência própria, fazer um jogo de interesse, aproximar-se de um ou de outro. No que for negado pelo americano, podemos nos aproximar do chinês. E, quando o chinês abusar, a gente volta para o americano, como já foi feito no passado, no governo Geisel”, defende o general, ex-integrante do Alto Comando do Exército.

No seu diagnóstico, é preciso ter conhecimento e jogo de cintura. “Infelizmente, a nossa diplomacia hoje não tem. Começa de cima, nosso chanceler nunca foi nem embaixador nos grandes países, não tem experiência funcional e jogo de cintura como tivemos no passado.”

Bolha

Desde o início do governo, Salles e Ernesto Araújo são identificados com os apoiadores mais conservadores e radicais de Bolsonaro. Trata-se justamente da “bolha ideológica” no Twitter. As gestões da dupla sofreram reparos de oficiais militares influentes na Esplanada dos Ministérios.

Em momentos distintos, ambos foram tutelados pelos generais, chamados a assumir as rédeas de relações diplomáticas e da Amazônia. Um dos que exercem funções diplomáticas, principalmente no relacionamento bilateral com a China, é o vice-presidente, Hamilton Mourão.

Ao menos no curto prazo, porém, uma mudança repentina é considerada pouco provável. Motivo: a troca, após o abatimento provocado por um revés de Trump, poderia soar como abandono a ícones de seu eleitorado mais radical, já insatisfeito com as articulações do presidente em direção ao centro político.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.