Ministros europeus se encontrarão com negociadores iranianos

Os ministros do Exterior da Alemanha, França e Reino Unido irão se encontrar com o principal negociador de Teerã sobre a questão nuclear na sexta-feira, em um esforço para resolver a tensão sobre a expansão do programa iraniano de enriquecimento de urânio. A reunião foi agendada a pedido do governo iraniano. O anúncio da reunião havia sido feito pelo principal negociador iraniano da crise nuclear, Ali Larijani, que se limitou a dizer que o encontro ocorreria antes da reunião extraordinária do Conselho de Governadores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), marcada para o próximo dia 6. Na data o conselho avaliará a recomendação de envio do caso ao Conselho de Segurança da ONU. Espere-se, com isso, definir a ação imediata do órgão - que tem o poder para impor sanções - em relação ao Irã. O envolvimento do Conselho reflete o nível de preocupação em relação às ambições do programa nuclear iraniano. Teerã insiste que não quer armas nucleares, mas várias nações agora compartilham os temores dos Estados Unidos de que seja esse o caso. O líder da oposição iraniana e presidente do Conselho de Políticas Estratégicas, com base em Washington, Alireza Jafarzadeh, ajudou a revelar o programa nuclear iraniano clandestino há três anos. Em janeiro deste ano ele divulgou detalhes dos planos de enriquecimento de Teerã, que foram confirmados pela AIEA há alguns dias. Nesta quinta-feira, Jafarzadeh forneceu supostos detalhes secretos do programa iraniano e disse que o país aumentou significativamente sua linha de produção de mísseis Shahab 3 no ano passado. Segundo Jafarzadeh, o país produz atualmente cerca de 90 projéteis por ano. O Shahab mais avançado tem um alcance de 1,9 mil quilômetros. Ele afirmou ainda que, especialistas norte-coreanos e cientistas iranianos estão trabalhando juntos no complexo de mísseis Hemmat, em Teerã, e que já teriam terminado 70% de um protótipo Khadar 101 e Khadar 110, mísseis com um alcance de até 3 mil quilômetros e que poderiam ser lançados em meia hora, ao invés das várias horas necessárias para o lançamento de um Shahab.

Agencia Estado,

02 Março 2006 | 16h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.