Ministros iranianos renunciam em meio a crise eleitoral

Doze ministros iranianos apresentaram renúncia ao presidente Mohammad Khatami, em protesto contra a decisão do Conselho Guardião da Constituição de proibir as candidaturas de mais de 2 mil reformistas, entre os quais 80 deputados, nas eleições parlamentares de 20 de fevereiro. Alguns deputados e governadores provinciais também ameaçaram deixar seus postos.Khatami - um político moderado eleito com um programa reformista - ainda não decidiu se aceita a demissão dos ministros, disseram fontes no governo. Um dos desqualificados pelo conselho é o deputado Reza Khatami, irmão do presidente.A crise provocada pela exclusão dos candidatos, no domingo, aprofundou-se também com a ameaça dos reformistas de boicotar as eleições e a negativa do líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei - um conservador radical, oposto à abertura do regime clerical - , de intervir neste momento. O Ministério do Interior, encarregado de organizar as eleições e comandado por um reformista, considerou ilegais as desqualificações e informou que não seguirá essa determinação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.