Efe
Efe

Ministros peruanos entregam carta de demissão a Humala

Gabinete é renovado pela 3ª vez durante a gestão; um recorde nas últimas décadas

estadão.com.br,

23 de julho de 2012 | 18h10

LIMA - Os ministros do Peru apresentaram nesta segunda-feira, 23, sua renúncia ao presidente do país, Ollanta Humala, cuja popularidade vem caindo em razão dos conflitos sociais que seu governo enfrenta atualmente. Essa é a terceira mudança de gabinete da gestão, que completa um ano no sábado, uma situação inédita no Executivo federal peruano nas últimas décadas.

Veja também:

link Peru negocia fim de protesto antimineração

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

Segundo analistas políticos do país, uma das principais mudanças seria do premiê, Oscar Valdés, um militar reformado, que comandou a repressão a protestos no Departamento de Cajamarca. A atuação das forças policiais deixaram cinco manifestantes mortos no início do mês.

Os habitantes da região, onde o governo federal impôs um estado de emergência, têm se manifestado contra um projeto que prevê novas instalações da mineradora Yanacocha - que pertence à empresa americana Newmont - com medo de que fontes de água sejam prejudicadas.

Pelo menos 17 pessoas morreram em manifestações populares durante o governo Humala, que atualmente tem 169 conflitos sociais ativos e outros 68 "latentes", segundo informações da Defensoria Pública peruana.

"Todos os ministros apresentaram suas cartas de renúncia ao presidente", disse o ministro da Saúde demissionário, Alberto Tejada, ao deixar um encontro dos renunciantes.

Humala deverá apresentar o novo gabinete às 18 horas no Peru (20 horas em Brasília). Analistas políticos do país afirmam que dois ministros demissionários estão entre os nomes mais cotados para substituir o premiê: Juan Jiménez, responsável pela pasta da Justiça e conhecido no Peru por defender os direitos humanos; e Manuel Pulgar Vidal, do Meio Ambiente.

O governador do Departamento de Moquegua, Martín Vizcara também seria cogitado pelo presidente para ocupar o cargo de primeiro-ministro.

Uma fonte que não se identificou afirmou que Humala estava reunido com Jiménez nesta tarde.

Popularidade em baixa

Segundo dados de uma pesquisa publicada no domingo pela imprensa peruana, a popularidade do presidente caiu cinco pontos porcentuais entre junho e julho, para 36%. A desaprovação à Gestão de Humala, segundo a sondagem do instituto GfK, aumentou dois pontos, chegando a 55%.

Com AFP e Reuters 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.