Ministros sul-africanos não descartam retornar a cargos

A demissão de 11 ministros sul-africanos, após a saída do presidente Thabo Mbeki, foi vista a princípio com temor pelo mercado financeiro local. Porém, a demissão em massa não se revelou uma questão grave à medida de que vários dos titulares afirmaram que voltariam aos ministérios se forem convidados pelo novo governo. Sete ministros disseram ter disposição para voltar ao cargo em breve, informaram funcionários do Congresso Nacional Africano (ANC, na sigla em Inglês), o partido governista da África do Sul.Thoraya Pandy, porta-voz do titular da pasta das Finanças, Trevor Manuel, divulgou um comunicado que afirma que o ministro e seu vice, Jabu Moleketi, "querem deixar claro que estão prontos a servir a administração em qualquer capacidade que for indicada pelo novo presidente". No domingo, Mbeki disse em discurso que deixaria o cargo, atendendo a um pedido da cúpula do Congresso Nacional Africano, dominada por seu amargo rival, Jacob Zuma."Os ministros continuarão a fazer o trabalho que faziam", afirmou o secretário-geral do ANC, Gwede Mantashe. Segundo ele, Manuel, Mokeleti e outros ministros e vice-ministros permanecerão nos cargos. Com informações da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.