Kirsty Wiggleswort/AP
Kirsty Wiggleswort/AP

'Mirror' vai rever rotinas após escândalo dos grampos

'Daily Mirror' está sob suspeita após revelações de que o rival 'News of the World' interceptava mensagens

AE, Agência Estado

26 de julho de 2011 | 11h12

LONDRES - O grupo de jornais britânico Trinity Mirror anunciou nesta terça-feira, 26, uma revisão de suas rotinas editoriais após a explosão do escândalo dos grampos telefônicos envolvendo outro grupo jornalístico, o News International.

 

Leia mais:

lista ENTENDA: O escândalo dos grampos na Inglaterra

O porta-voz do Trinity Mirror, Nick Fullagar, disse hoje que não se trata de uma investigação sobre acusações de grampos telefônicos, mas reconheceu que o escândalo envolvendo o tabloide News of the World levou à revisão dos procedimentos. "Tendo em vista os eventos recentes, achamos que era hora de olhar para nossos controles e procedimentos", disse Fullagar em entrevista pelo telefone. "Após um acontecimento significativo, trata-se apenas de boa governança corporativa."

O tabloide Daily Mirror está sob suspeita após revelações de que o rival News of the World - fechado recentemente por sua editora, a News International - interceptava rotineiramente mensagens de voz de figuras públicas.

Grampos 'comuns'

 

Um ex-jornalista do Mirror alegou que os grampos telefônicos eram contínuos no jornal quando o ex-editor Piers Morgan estava no comando. Na semana passada, o New York Times citou cinco jornalistas não identificados de outro jornal do grupo Mirror - uma publicação dominical sobre celebridades e atletas chamada The People - dizendo que grampos telefônicos eram comuns no jornal do final dos anos 1990 ao início da década de 2000.

O Trinity Mirror não comentou as acusações, embora observadores da mídia britânica suspeitassem há tempos que os grampos telefônicos ilegais se estendiam muito além do News of the World.

 

As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
GBGRAMPOSESCÂNDALO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.