Miss peruana acusa presidente do Gabão de assédio sexual

O governo do Peru está investigando as acusações da ex-candidata a Miss Peru América, Ivette Lourdes Santa Maria Carty, que diz ter sido atraída ao Gabão, na África Ocidental, sob falso pretexto, para se tornar amante do presidente Omar Bongo, de 67 anos, e que foi mantida prisioneira por quase duas semanas quando recusou as propostas do mandatário.Um porta-voz de Bongo, Vincent Mavoungou Bouyou, disse desconhecer as alegações. Ivette havia sido convidada ao Gabão para apresentar o concurso ?Miss Humanidade?, informa a chancelaria peruana. A imprensa do Peru diz que a miss foi convidada pela internet.Depois de chegar a Libreville, no Gabão, em 17 de janeiro, Ivette teria sido abordada por um assessor de Bongo, levada ao palácio presidencial e apresentada ao presidente, disse o pai da miss. Bongo então a conduziu a um quarto e propôs que fizessem sexo, segundo o diário peruano El Comercio. A jovem de 22 anos fugiu e ficou 12 dias confinada num hotel. Ela só conseguiu sair do Gabão porque a Interpol e uma ong francesa intervieram.O presidente Bongo tem um histórico de situações semelhantes. Em 1995, o estilista italiano Francesco Smalto disse à Justiça francesa que era fornecedor de prostitutas para o presidente do Gabão, entre 1992 e 1993.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.