Missa na Basílica Nacional homenageia mortos no Haiti

O Santuário Nacional de Aparecida prestou, na manhã desta quinta-feira, uma homenagem às vitimas no Haiti. A tradicional missa de quinta recebeu cerca de 7 mil fiéis que acompanharam a cerimônia, que também lembrou dos militares mortos no terremoto e da médica Zilda Arns, fundadora da Pastoral da Criança no Brasil. "Que ela descanse em paz e nos solidarizamos com toda sua família e suas companheiras de trabalho", disse o padre Maciel Pinheiro, missionário redentorista e um dos celebrantes.

JOÃO CARLOS DE FARIA, Agencia Estado

14 de janeiro de 2010 | 17h39

No início da celebração, três Agentes de Segurança do Santuário levaram até o Altar Central as bandeiras do Brasil e do Haiti, além de uma grande vela. Padre Antonio Agostinho Frasson, que presidiu a celebração, disse que a homenagem foi "um ato de solidariedade da Basílica Nacional e faz parte do espírito cristão". "Foi um momento de oração. O fato toca o coração de todos, pois apesar de ter acontecido tão longe, envolve gente daqui, muito próximos de nós", afirmou o sacerdote, numa referência às dez vítimas que serviam no 5º Batalhão de Infantaria Leve de Lorena (5º BIL).

Frasson destacou o trabalho da médica Zilda Arns, dizendo que a Pastoral da Criança foi uma iniciativa muito importante para o Brasil. "No conjunto da Igreja essa é uma pastoral que já trouxe muitos resultados positivos", afirmou. Alguns parentes e amigos das vítimas que escaparam do terremoto também participaram da celebração, como Ana Cláudia Pereira, noiva de um sobrevivente. "Vim agradecer e pedir a bênção pra que ele chegue bem e que dê tudo certo", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
HaititerremotoBasílica Nacionalmissa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.