Missão africana viaja à Costa do Marfim para dar última chance a Gbagbo

Órgãos africanos e comunidade internacional reconhece Alassane Ouattara como presidente do país

Efe

03 de janeiro de 2011 | 10h56

LAGOS - Os presidentes do Benin, Cabo Verde e Serra Leoa, além do primeiro-ministro do Quênia, viajam para Costa do Marfim numa última tentativa de convencer Laurent Gbagbo a ceder pacificamente o poder a Alassane Ouattara.

 

A missão, com apoio da Comunidade Econômica para o Desenvolvimento dos Estados da África Ocidental (Cedeao) e a União Africana (UA), "está a caminho" a Abidjan, anunciou nesta segunda-feira, 3, à Agência Efe, Sunny Ugoh, porta-voz da Comissão da Cedeao, representada pelos três chefes de Estado.

 

Os presidentes Yayi Boni, do Benin; Pedro Pires, de Cabo Verde, e Ernest Koroma, de Serra Leoa, já estiveram na terça-feira passada na Costa do Marfim e advertiram Gbagbo que a Cedeao poderia utilizar de força militar caso ele não entregasse o poder a Ouattara, reconhecido pela comunidade internacional como vencedor das eleições presidenciais do dia 28 de novembro.

 

A missão também tem apoio de Raila Odinga, primeiro-ministro queniano, enviado da UA, que se reuniu no domingo em Abuja com o presidente nigeriano e titular de turno da Cedeao, Goodluck Jonathan, para coordenar suas posições.

"Não é negociável a permanência de Gbagbo no poder", afirmou o porta-voz da Cedeao.

 

Jonathan, segundo os jornais nigerianos, disse neste último final de semana que, após a visita, a Cedeao adotará uma decisão definitiva sobre o que fazer na Costa do Marfim, com planos militares de intervenção.

 

Anistia a Gbagdo

 

Segundo fontes consultadas pela BBC, o grupo de presidentes oferecerá uma garantia de segurança pessoal e econômica a Gbabgo se este cumprir com o pedido de abandonar o Governo.

 

A UA manifestou reiteradamente seu total apoio, no caso da Costa do Marfim, à Cedeao.

Koroma, presidente de Serra Leoa, indicou que esta visita "será a última" para tentar convencer a Gbagbo para que aceite uma saída pacífica.

 

A União Africana e Cedeao reconheceram como presidente Ouattara e suspenderam o Estado da Costa do Marfim até que se faça efetivo a transferência do poder.

 

A ONU, a União Europeia, os EUA e outros países também apoiaram Ouattara e submeteram a sanções a Gbagbo e seu entorno.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.