Missão cumprida, diz ativista egípcio no Twitter

Libertação de Wael Ghonim, que passou 12 dias na cadeia, impulsionou os protestos nesta semana

estadão.com.br,

10 de fevereiro de 2011 | 15h42

CAIRO - O ativista egípcio Wael Ghonim, um executivo do Google de 30 anos que se tornou símbolo da revolta contra o presidente Hosni Mubarak, disse nesta quinta-feira em um comentário postado no Twitter que sua missão estava cumprida, em referência a expectativa pela queda do ditador. Mubarak, no poder desde 1981, deve fazer um pronunciamento às 18h (horário de Brasília), onde espera-se que ele renuncie em favor do vice Omar Suleiman.

Veja também:

especialInfográfico:  A revolução que abalou o mundo árabe

som TV Estadão: Veja imagens dos protestos na praça Tahrir

documento Artigo: De que lado está o Exército egípcio?

blog Radar Global: Personagens, curiosidades e análises da crise

Após pedir para seus seguidores evitarem especulações sobre a queda de Mubarak, Ghonim escreveu: "Missão Cumprida. Obrigado a todos os bravos jovens egípcios".

Ghonim passou 12 dias preso. Após sua libertação, na segunda-feira, o ativista concedeu uma entrevista emocionada a um canal via satélite egípcio e chorou pelas mortes nos protestos. No dia seguinte ele atraiu 250 mil pessoas à praça Tahrir, epicentro dos protestos no Cairo.

Ontem, Ghonim conversou pela primeira vez com a imprensa ocidental. Em entrevista à CNN, disse que "muito sangue já foi derramado" e fez novos apelos às autoridades egípcias. "Se vocês são egípcios de verdade, se são heroicos, é hora de deixar o poder", afirmou.

"Fomos às ruas no dia 25 de janeiro, queríamos negociar com o governo. Eles quiseram negociar com balas de borracha, cassetetes, gás lacrimogêneo e com a prisão de cerca de 500 pessoas. Entendemos a mensagem, e agora que tornamos tudo bem grande, eles estão nos ouvindo", disse o ativista.

Leia ainda:

linkJovens que iniciaram protestos pedem renúncia de vice

link Arábia Saudita se oferece para apoiar Mubarak

linkChanceler egípcio vê risco de golpe militar no país

linkExército deteve e torturou manifestantes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.