Missão da ONU admite fraude generalizada em eleição afegã

Diretor da entidade diz que aguardará recontagem para levantar o número de votos fraudados no pleito

Ricardo Gozzi, da Agência Estado,

11 de outubro de 2009 | 08h51

O diplomata norueguês Kai Eide, diretor da missão da Organização das Nações Unidas (ONU) no Afeganistão, admitiu neste domingo, 11, que houve fraude generalizada nas eleições presidenciais de agosto no país centro-asiático. No entanto, ele recusou-se a entrar em detalhes para não atrapalhar uma recontagem dos votos suspeitos.

 

Veja também:

linkKarzai pede anúncio do resultado final da eleição afegã

linkAfeganistão começa a recontar votos da eleição presidencial

linkAtentado contra embaixada da Índia em Cabul mata 17 e fere 80

especial Especial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão 

 

A admissão de Eide vem à tona depois de seu antigo vice Peter Galbraith ter denunciado que seu ex-chefe vinha tentando acobertar fraudes cometidas em benefício do presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, nas eleições de 20 de agosto.

 

Em entrevista coletiva concedida em Cabul, Eide disse a jornalistas que números específicos sobre a quantidade de votos fraudados não passarão de especulação enquanto a recontagem não for concluída.

 

Na coletiva, Eide apareceu acompanhado dos embaixadores dos Estados Unidos, da Grã-Bretanha e da França no Afeganistão. Eles estavam presentes em uma demonstração de apoio a Eide e à missão da ONU. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
ONUAfeganistãoeleição

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.