Missão de empresários italianos chega ao Brasil

A Itália busca novas oportunidades de comércio e colaboração empresarial no Brasil, que receberá na segunda-feira uma missão de mais de 250 empresários, organizada pelo sindicato patronal Confindustria, com o apoio do Governo italiano. Os empresários visitarão, entre 27 e 31 de março, Belo Horizonte, São Paulo e Porto Alegre, onde participarão de entrevistas, seminários e mesas-redondas para fortalecer a cooperação entre as duas nações. Durante a visita, estão programadas mais de 1.500 reuniões entre empresários italianos e brasileiros para analisar as possibilidades de aumentar o comércio, os investimentos e a criação de joint-ventures. Os setores de maior interesse são, entre outros, agroindústria, eletrônica, moda, design, infra-estrutura, turismo e finanças. Ao falar sobre a missão este mês, o ministro italiano de Assuntos Exteriores, Gianfranco Fini, defendeu estreitar os laços com o Brasil, que segundo ele é "um dos países emergentes com maior atratividade para os investimentos e o comércio". Os empresários serão liderados pelo ministro italiano de Indústria, Claudio Scajola; pelo presidente da Confindustria, Luca Cordero de Montezemolo; e pelos líderes do Instituto Nacional para o Comércio Exterior, Umberto Vattani, e da Associação dos Bancos da Itália, Maurizio Sella. Uma característica desta visita é que a delegação é formada em sua maioria por representantes de pequenas e médias empresas reunidas na Confindustria, que fez do Brasil uma prioridade estratégica dentro de suas iniciativas internacionais. Em Belo Horizonte, primeira etapa da viagem, os empresários participarão na segunda-feira de um seminário dedicado às oportunidades de investimento no estado de Minas Gerais, onde estão localizadas empresas italianas como a Fiat e a Telecom. Além disso, os empresários receberão informações sobre os incentivos fiscais para atuar em parceria com o setor público e o privado. Em São Paulo, na quarta-feira, será realizado o fórum econômico italiano-brasileiro, e na quinta-feira serão realizadas reuniões técnicas para analisar a fundo as possibilidades em alguns setores. Fini acredita que um dos campos em que é mais provável que se estreitem as relações é o da cooperação econômica, com um país que "soube superar, com uma política de rigor, a instabilidade e as incógnitas vinculadas a longos anos de hiperinflação". A Itália é o oitavo parceiro comercial do Brasil, com trocas comerciais que chegam a US$ 5 bilhões, o que para Fini representa "níveis que podem ser melhorados". Entre as empresas italianas presentes no Brasil se destacam a Pirelli (há 80 anos no país), a Fiat (há 30), a Telecom Italia e as energéticas Eni e Enel, além de outras de pequeno e médio porte.

Agencia Estado,

26 Março 2006 | 00h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.