Missão frustra moradores de reduto opositor

A presença dos observadores da ONU na quarta-feira em Deraa, onde a rebelião síria começou há 13 meses, despertou poucas esperanças nos moradores da cidade, 100 km ao sul de Damasco, na fronteira com a Jordânia. "Vieram 6 da ONU cercados por 600 policiais e soldados", ironizou um ativista. "Se falássemos com eles, em seguida seríamos presos. Não pudemos chegar nem a 100 metros de distância."

DERAA, SÍRIA, O Estado de S.Paulo

19 de abril de 2012 | 03h07

"Da outra vez que vieram os enviados da Liga Árabe (em janeiro), demos os nomes dos mortos e fizemos relatos dos acontecimentos", lembrou outro ativista. "Até hoje não tivemos nenhum retorno disso."

Reunidos em um apartamento com o repórter do Estado, oito moradores de um bairro na região central de Deraa demonstraram sua desilusão. "A ONU só está dando tempo ao regime", disseram. "Na Líbia, levaram 48 horas para tomar uma decisão. Na Síria, faz mais de um ano." "No começo, achamos que Catar, Arábia Saudita, Turquia e França nos apoiariam. Agora, sentimos que ninguém está conosco", disse outro ativista. / L.S.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.