Missão liderada por brasileiro ajudará a pressionar Assad

Governo americano vê missão como principal instrumento de pressão internacional contra regime sírio

Jamil Chade, O Estado de S.Paulo

30 Setembro 2011 | 03h06

De acordo com avaliação do governo americano, a missão liderada pelo brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro é o principal instrumento de pressão internacional contra o regime de Bashar Assad, na Síria. A Casa Branca não disfarça que pretende usar as conclusões da investigação para enfraquecer Assad.

 

Veja também:

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

 

Diante da falta de consenso sobre como lidar com a Síria e da resistência de Brasil, China e Rússia em aceitar sanções, o trabalho de Pinheiro ganha novo status. Ontem, o Departamento de Estado dos EUA classificou a missão como o instrumento político "mais forte" com relação a Damasco. O principal obstáculo será o acesso ao país. O governo brasileiro foi um dos que pediram a Assad que permita a entrada dos integrantes da missão.

 

 

Ontem, Pinheiro se reuniu com o embaixador sírio na ONU e, na semana que vem, estará em Genebra com um dos vice-ministros do regime. Segundo a embaixadora americana na ONU, Eileen Donahoe, os EUA estão "totalmente comprometidos" em apoiar a investigação. Pinheiro visitará também Turquia, Jordânia e Líbano para apurar violações.

Mais conteúdo sobre:
primavera árabe Síria Assad Brasil missão EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.