Mísseis dos EUA matam 7 no noroeste do Paquistão

Um ataque com mísseis dos Estados Unidos destruiu hoje um veículo do Taleban no noroeste do Paquistão, perto da fronteira afegã, matando sete militantes, segundo funcionários. O ataque ocorreu nas proximidades de Mir Ali, 30 quilômetros a leste de Miranshah, principal cidade do distrito do Waziristão do Norte, onde funcionários dos EUA querem que o Paquistão lance uma ofensiva contra as redes terroristas.

AE, Agência Estado

23 de maio de 2011 | 10h57

"Um avião não tripulado dos EUA disparou dois mísseis, que atingiram um veículo. Pelo menos sete militantes foram mortos", afirmou um funcionário do setor de segurança em Peshawar à France Presse. Outra fonte do setor de inteligência em Miranshah disse, em outra versão para o mesmo ataque, que dois aviões dispararam quatro mísseis, atingindo uma van e matando ao menos sete militantes. "Nós recebemos informações de que os mortos na van eram todos estrangeiros", disse a fonte, pedindo anonimato.

O ataque de hoje foi o oitavo registrado nas áreas tribais do Paquistão, perto da fronteira afegã, desde que comandos norte-americanos mataram o líder da Al-Qaeda, Osama bin Laden, em uma operação na cidade paquistanesa de Abbottabad, no último dia 2.

Os ataques com aviões não tripulados são muito impopulares no Paquistão, onde a população se opõe à aliança do governo local com os EUA. Esses ataques mataram 670 pessoas no país em 2010, e no ano anterior mataram 420, segundo levantamento da France Presse. A maioria das ações ocorre no Waziristão do Norte, área onde se concentram membros do Taleban e da Al-Qaeda.

As forças paquistanesas dizem estar sobrecarregadas para lançar uma grande operação na área. Já os EUA não confirmam esses ataques com mísseis, mas somente as forças norte-americanas enviam esse tipo de avião para essas áreas. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoEUAataquesTaleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.