Mísseis dos EUA matam 8 militantes no Paquistão

Um avião não tripulado dos Estados Unidos disparou dois mísseis em uma base militante na área tribal no noroeste do Paquistão nesta manhã, matando oito insurgentes, disseram autoridades do setor de segurança. O ataque ocorreu no distrito de Bushnarai, no Waziristão do Sul, perto da fronteira afegã.

AE, Agência Estado

12 de julho de 2011 | 11h50

Washington qualifica a região semiautônoma no noroeste do Paquistão a mais perigosa do mundo e a sede da Al-Qaeda. As relações entre o Paquistão e os EUA pioraram bastante desde o assassinato do líder da Al-Qaeda, Osama bin Laden, em 2 de maio, na cidade paquistanesa de Abbottabad, próxima de Islamabad. O governo local exige o fim dos ataques com aviões não tripulados, alegando que eles matam civis inocentes e são uma violação de sua soberania.

No domingo, o chefe de gabinete do presidente dos EUA, Barack Obama, confirmou que o país decidiu reter quase um terço de seu orçamento anual de US$ 2,7 bilhões em assistência à segurança do Paquistão. Washington tem pressionado o aliado a tomar ações decisivas contra as redes terroristas.

Reação

O governo paquistanês ameaçou hoje retirar tropas da área da fronteira afegã, em resposta aos cortes na ajuda norte-americana. "Eu acho que o próximo passo é que o governo ou as Forças Armadas retirem os soldados das áreas de fronteira", afirmou o ministro da Defesa, Ahmed Mukhtar, em entrevista à emissora em língua inglesa Express 24/7. "Se tudo ficar difícil, iremos simplesmente recuar nossas Forças Armadas."

Mukhtar disse que o país não pode bancar o custo de manter os militares em meio às montanhas. Ontem, o Paquistão afirmou que seguiria lutando, mesmo sem o dinheiro dos EUA, porém analistas advertiram que os cortes desencorajarão os comandantes a abrir novas frentes, particularmente entre rebeldes considerados inimigos dos EUA, e não do próprio Paquistão.

Hoje, os militares disseram que o país iria lutar contra "a ameaça do terrorismo em nosso próprio interesse nacional, usando nossos próprios recursos". As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoterroistasEUAataquemortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.