Jae C. Hong/AP
Jae C. Hong/AP

Mitt Romney pede desculpas por praticar bullying no segundo grau

Resposta veio depois de Barack Obama apoiar casamento gay

AE, Agência Estado

11 Maio 2012 | 12h46

WASHINGTON - Mitt Romney, o republicano que, tudo indica, vai disputar a eleição presidencial com Barack Obama em novembro, pediu desculpas pelas brincadeiras "estúpidas" que fez durante o ensino médio e rapidamente afirmou que não provocou seus colegas porque eles eram gays.

Veja também:

linkObama deve arrecadar milhões com evento na casa de Clooney

tabela ESPECIAL: Eleições nos EUA

A rápida resposta de Romney reflete o reconhecimento do candidato de que suas opiniões sobre os direitos dos gays está sob os holofotes depois de Obama ter se tornado, na quarta-feira, o primeiro presidente da história dos Estados Unidos a apoiar o casamento gay.

Obama fez sua histórica declaração na véspera de um evento de arrecadação de fundos, realizado na noite de quinta-feira na casa do ator George Clooney, em Los Angeles. Hollywood abriga alguns dos mais importantes defensores do casamento gay. Os 150 doadores que pagaram US$ 40 mil para participar do jantar oferecido por Clooney e certamente se sentiram revigorados pelo anúncio feito por Obama um dia antes. A expectativa é de que o evento tenha arrecadado US$ 15 milhões.

"Foi uma extensão lógica do que a América deve ser", disse Obama durante o jantar. "Ela surgiu diretamente desta diferença de visões: somos um país que inclui a todos e dá a todos uma chance e trata todo mundo bem?''''

Ex-governador do liberal Estado de Massachusetts, Romney teve de convencer os republicanos que é suficientemente conservador para vencer as primárias sem isolar os eleitores mais moderados que ele precisa para ganhar a eleição geral.

O foco súbito nos direitos dos gays representa um desvio indesejável das atenções para um candidato que tem colocado suas esperanças nas questões econômicas, argumentando que um ex-executivo de negócios é melhor preparado para colocar os Estados Unidos de volta ao caminho do crescimento.

Mas a questão dos direitos dos gays ganhou posição central depois que o Washington Post publicou as estripulias de Romney, quase 50 anos atrás.

O jornal relatou um caso no qual Romney e vários colegas de escola seguraram colega John Lauber e cortaram seus cabelos loiros descoloridos após procurar por ele no dormitório de um famoso colégio interno. Segundo o Post, Lauber era "constantemente alvo de provocações por seu comportamento rebelde e suposta homossexualidade" e que ele gritou pedindo ajuda a Romney para que fosse libertado.

"Eu participei de muitas brincadeiras durante o ensino médio e algumas podem ter ido longe demais. Eu peço desculpas por isso", disse Romney ao apresentador da Fox News, Brian Kilmeade, durante entrevista.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.