Modelo de aeronave tem histórico de falhas técnicas

Nos últimos cinco anos, acidentes envolvendo aviões da série MD-80 deixaram mais de 400 mortos

AP, AFP E REUTERS, O Estadao de S.Paulo

21 de agosto de 2008 | 00h00

Os aviões McDonnell Douglas da série 80 (MD-80) - à qual pertencia a aeronave da Spainair que caiu ontem no aeroporto de Barajas, em Madri - tem um histórico de acidentes e problemas técnicos. Entre março e abril deste ano, por exemplo, uma auditoria de segurança na American Airlines forçou a companhia a deixar de operar com toda a frota MD-80. Pelo menos 6 mil vôos foram cancelados aparentemente por problemas na instalação elétrica dos aviões. Acompanhe as últimas notícias sobre o casoNos últimos cinco anos, cerca de 400 pessoas, sem considerar as vítimas da tragédia de ontem em Madri, morreram em incidentes com aeronaves dessa família de aviões comerciais, que inclui os modelos MD-81, o MD-82, MD-83, MD-87 e MD-88. Só para mencionar os mais recentes: em novembro, um MD-83 caiu na província de Isparta, no sudoeste da Turquia, matando todos os 57 passageiros. Em setembro, um MD-80 teve de fazer um pouso de emergência nos EUA depois de um incêndio no motor. Dias antes, um MD-82 da companhia tailandesa One-Two-Go Airlines repleto de turistas se chocou contra um muro e explodiu no aeroporto de Phuket, na Indonésia, deixando mais de 80 mortos. AQUISIÇÃOUm dos piores acidentes com aviões desta série ocorreu em agosto de 2005, quando 160 pessoas morreram na explosão de um MD-82 da West Caribbean Airways Fligh numa região montanhosa do norte da Venezuela. O acidente mais mortal ocorreu em dezembro de 1981, quando um MD-81 explodiu em Córsega matando todos os 180 passageiros. Os jatos da série MD-80 entraram em operação em outubro de 1980, sucedendo a linha DC-9 e foram substituídos pelos MD-90, que começaram a operar em 1995. A Boeing comprou a McDonnell Douglas em 1997 e os aviões dessa série pararam de ser fabricados dois anos mais tarde. Com motores Pratt & Whitney JT8D-200, os custos de operação da aeronave são relativamente baixos - apesar do consumo de combustível ser cerca de 25% maior que o de um Airbus. Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), nenhuma companhia opera com aviões desse tipo no Brasil. Entre as estrangeiras que os têm em sua frota estão as americanas American Airlines e Delta Airlines, a espanhola Iberia, a colombiana Avianca, a Alitalia, a Aerolíneas Argentinas e a Aeroméxico. O MD-82, modelo do avião que caiu ontem, é utilizado em vôos de curto e médio alcance e sua capacidade varia entre 152 e 172 passageiros, de acordo com a disposição dos assentos.Segundo o diretor comercial da Spainair, Sergio Alart, a última revisão da aeronave havia sido feita no dia 24 de janeiro. "Desde então não registramos nenhum incidente", afirmou Alart. A Spainair tem em sua frota 63 aviões, 36 deles da serie MD-80. O avião que explodiu tinha 15 anos e havia sido adquirido da companhia Korean Air. TRAGÉDIAS AÉREAS NA EUROPA20/1/1992 - Airbus cai em Estrasburgo, na França, e deixa 87 mortos 31/3/1995 - Queda de avião em Bucareste mata 60 pessoas 25/7/2000 - Concorde da Air France com destino a Nova York cai em Paris e deixa 113 mortos8/10/2001 - Choque entre um avião da companhia escandinava SAS e uma aeronave particular Cessna deixa 118 mortos em Milão, na Itália1/7/2002 - 71 pessoas morrem em choque entre dois aviões na Alemanha8/1/2003 - Avião da Turkish Airlines cai e deixa 75 mortos em Diyarbakir, na Turquia26/5/2003 - Acidente aéreo na Turquia mata 75 pessoas, sendo 62 soldados espanhóis14/8/2005 - Boeing da empresa cipriota Helios cai em Atenas e mata 121 pessoas22/8/2006 - Acidente com Tupolev russo na Ucrânia deixa 170 mortos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.