Chris Jackson/AP
Chris Jackson/AP

Monarquias e líderes mundiais homenageiam príncipe Philip; Bolsonaro envia condolências

Uma das primeiras monarquias a reagir foi a belga: 'A morte de sua Alteza Real, o príncipe Philip, Duque de Edimburgo, nos entristece profundamente', comunicaram o rei Philip e sua mulher, Mathilde

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2021 | 17h26
Atualizado 09 de abril de 2021 | 18h53

LONDRES - As monarquias e os principais líderes do mundo homenagearam nesta sexta-feira, 9, o príncipe Philip, duque de Edimburgo e marido da rainha Elizabeth II, que morreu  aos 99 anos. O Ministério das Relações Exteriores divulgou uma nota na noite desta sexta-feira afirmando que o presidente Jair Bolsonaro enviou mensagem de condolências à rainha. " O governo e o povo brasileiros solidarizam-se com a rainha Elizabeth II e o povo do Reino Unido neste momento de luto dos britânicos pela perda do Duque de Edimburgo."

Após o anúncio da morte, uma das primeiras monarquias a reagir foi a belga. "A morte de sua Alteza Real, o príncipe Philip, Duque de Edimburgo, nos entristece profundamente", comunicaram o rei Philip e sua mulher, Mathilde, que estenderam seu pêsames a toda família real e ao povo britânico.

Nos Estados Unidos, o presidente Joe Biden lembrou-se do príncipe Philip como um servo dedicado ao Reino Unido e seu povo. Falando com repórteres na Casa Branca, Biden disse que ele e sua mulher, Jill Biden, enviaram condolências à rainha Elizabeth II.

Três ex-presidentes americanos também prestaram suas homenagens. No Facebook, o ex-presidente Barack Obama o elogiou como alguém que assumiu com abnegação seu papel de marido da rainha. "Ao lado da rainha ou a seguindo nos habituais dois passos atrás, o Príncipe Philip mostrou ao mundo o que significa ser um marido que apoia uma mulher poderosa", afirmou.

Ao enviar sua mensagem, George W. Bush afirmou que Philip representou o Reino Unido "com dignidade" e Donald Trump disse que sua morte foi uma perda "insubstituível" para o Reino Unido. "Esta é uma perda insubstituível para o Reino Unido e para todos aqueles que prezam nossa civilização", disse ele.

O duque de Edimburgo prestou uma "longa vida de serviço ao seu país", afirmou o ministro das Relações Exteriores alemão, Heiko Maas

Philip de Edimburgo "era um homem de convicções e princípios", expressou o primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau.Outro líder da Commonwealth britânica, o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, homenageou um homem que "encarnou uma geração que não voltaremos a ver".

O presidente russo, Vladimir Putin, desejou à rainha Elizabeth II "coragem e força mental diante desta perda dolorosa e irreparável". Putin enviou um telegrama à rainha, informou o Kremlin, no qual lembrou que "muitos acontecimentos importantes na história moderna de seu país estão associados ao nome de sua Alteza Real".

O duque de Edimburgo foi o consorte real que ficou por mais tempo na história da coroa britânica e uma presença constante à sombra da rainha Elizabeth II. "Por mais de setenta anos, ele ofereceu seus serviços à Coroa (...) com dedicação exemplar", lembrou o presidente italiano, Sergio Mattarella.

O ministro das Relações Exteriores checo, Tomas Petricek, optou por ressaltar a grande projeção da monarquia britânica em todo o mundo, herança de seu passado imperial. "Incluindo uma tribo do arquipélago de Vanuatu o adora como um deus. Um dos símbolos da monarquia britânica moderna se foi. Descanse em paz", afirmou.

O primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, enviou suas condolências ao primeiro-ministro britânico, Boris Johnson. "Nossos pensamentos e simpatia vão para a Família Real britânica", considerou. 

"O príncipe Philip fará muita falta em Israel e no mundo", disse o primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu.

Na América Latina, antes da nota do governo brasileiro, um dos primeiros a reagir foi o presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador. "Meus pêsames aos parentes, amigos e ao Reino Unido pela morte do príncipe Philip", desejou.

Em Cuba, o chanceler Bruno Rodríguez também comunicou suas "muito sentidas condolências à Sua Majestade Elizabeth II, Sua Alteza o príncipe Charles, à família real e ao povo e governo britânicos"./Com AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.