Monarquista é empossado como primeiro-ministro no Nepal

Uma semana depois de ter demitido o governo, o rei do Nepal, Gyanendra, empossou hoje o chefe de um partido pró-monarquista como novo primeiro-ministro do país, uma medida que enfureceu os políticos nepaleses mais importantes. Lokendra Bahadur Chand, que já foi primeiro-ministro por três mandatos, ocupará o cargo até que as eleições parlamentares possam ser realizadas. Funcionários do governo anunciaram que Chand e cinco integrantes de seu gabinete foram empossados pelo rei no Palácio Real na manhã de hoje. As eleições ainda não foram marcadas.O anúncio foi divulgado quando 4 mil pessoas que apóiam os dois maiores partidos políticos protestavam contra a demissão, promovida pelo rei na semana passada, do primeiro-ministro Sher Bahadur Deuba e seu gabinete, depois de Deuba ter recomendado que as eleições gerais, que haviam sido fixadas para começar em novembro, fossem adiadas por causa da ameaça de uma rebelião por parte de maoístas. As medidas do rei assustaram muitos simpatizantes da democracia na nação himalaia. A monarquia tem o poder constitucional para derrubar um governo eleito, mas raramente intrometeu-se na política, desde que a monarquia absoluta acabou em 1990 e a democracia foi introduzida no país.Chand, de 63 anos, lidera o Partido Rastriya Prajatandra. Ele foi primeiro-ministro uma vez sob o regime da monarquia absoluta, e duas vezes durante a era democrática. "Minha prioridade será restaurar a paz e a estabilidade no país e para isso vou tentar abrir o diálogo com os rebeldes maoístas", disse ele aos repórteres. Os maoístas têm combatido o governo por seis anos e sua insurgência provocou destruição em grandes áreas da zona rural do Nepal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.