Monges se rebelam contra "interventor" papal

Moradores da pequena cidade italiana onde foi enterrado o famoso monge padre Pio saíram às ruas em protesto contra a decisão do Vaticano de nomear um interventor para controlar a gestão do santuário local. A adoração de padre Pio, canonizado no ano passado, movimenta centenas de milhões de dólares todo ano.A população de San Giovanni Rotondo apóia os monges capuchinhos, responsáveis pelo santuário até agora. O líder dos capuchinhos acusou o Vaticano de instigar um "clima de perseguição".No fim de semana, o papa João Paulo II conferiu ao bispo da vizinha cidade de Manfredonia, Domenico D?Ambrosio, autoridade sobre o santuário e atividades ligadas a ele, incluindo um grande hospital. A mídia italiana informou que o Vaticano está preocupado com a excessiva comercialização da imagem do santo e possíveis irregularidades financeiras nos planos para construir uma igreja maior na cidade. O Próprio D?Ambrosio já havia manifestado tal preocupação, em janeiro.Sede do segundo maior centro de devoção católica do mundo depois de Guadalupe, no México, San Giovanni Rotondo é visitada por cerca de 8 milhões de peregrinos todos os anos. Ali eles podem comprar de estátuas e canetas do padre Pio a cartões telefônicos do santo.No protesto desta segunda-feira, os moradores estacionaram cerca de dez guindastes e escavadeiras na praça, diante da igreja que abriga o túmulo de padre Pio. Jovens sopraram apitos para mostrar apoio aos monges e prometeram realizar outros protestos durante a visita do interventor. Na tentativa de acalmar os frades, o porta-voz do Vaticano, Joaquín Navarro-Valls, esclareceu hoje que "os capuchinhos continuam à frente do santuário". Mas acrescentou que "o arcebispo do lugar tem, no entanto, o direito e a obrigação de supervisionar as atividades pastorais que ocorram no local, bem como todos os bispos de sua diocese, à luz das normas gerais do direito canônico". Morto em 1968 aos 81 anos de idade, Padre Pio tinha estigmas - feridas nas mãos e pés que sangravam, semelhantes às de Cristo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.