Allison Joyce/Reuters
Allison Joyce/Reuters

Monitores da ONU encontram aldeia síria vazia e destruída

Delegação descreveu o lugar como quase deserto, com prédios incendiados, lojas abandonadas e um cadáver na rua

14 de junho de 2012 | 11h40

HAFFEH, SÍRIA - Uma delegação da ONU chegou nesta quinta-feira, 14, à localidade síria de Haffeh, encontrando o lugar quase deserto, com prédios públicos incendiados, lojas abandonadas e um cadáver na rua, conforme relato de um fotógrafo da Reuters que acompanha o comboio.

Veja também:

linkConfrontos e carros-bomba deixam mortos na Síria

linkGoverno sírio diz ter retomado controle de vila rebelde

linkSíria expõe tensão entre EUA e Rússia

Após dias de intensos combates entre forças leais ao presidente Bashar al Assad e combatentes rebeldes, os monitores conseguiram entrar em Haffeh, dois dias depois de serem barrados por causa de ataques de moradores indignados.

O enviado internacional Kofi Annan disse na segunda-feira estar preocupado com a possibilidade de moradores estarem retidos em Haffeh, e os EUA disseram temer que um "potencial massacre" estivesse em curso. Forças rebeldes deixaram a cidade na noite de terça-feira.

Havia sinais de intensos bombardeios, com fumaça saindo de carros e edifícios queimados. Apenas duas pessoas foram vistas na cidade, mas se negaram a falar sobre os incidentes.

A sede local do partido governista Baath, a agência de correios e uma sucursal do Ministério da Agricultura haviam sido incendiadas.

A ONU estima que mais de 10 mil pessoas tenham sido mortas desde março de 2011 na repressão governamental a protestos pró-democracia na Síria. A ONU mantém cerca de 300 monitores para tentar fiscalizar uma trégua que foi declarada em abril, mas não chegou a ser respeitada. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.