Montesinos faz greve de fome

O ex-chefe do serviço secreto peruano, Vladimiro Montesinos, iniciou hoje uma greve de fome para protestas contra sua transferência à prisão de segurança máxima que ele construiu para receber líderes guerrilheiros. Segundo a esposa de Montesinos, Trinidad Becerra, ele não comeu nada desde quinta-feira e afirma que não comerá nada até ser transferido a uma prisão civil.Montesinos foi preso na semana passada, na Venezuela, e deportado para o Peru, onde ele está sendo mantido na prisão de segurança máxima naval. Ele está sendo acusado em 52 processos, entre eles tráfico de armas e de drogas e corrupção.A prisão de Montesinos criou ontem (29) seu primeiro grande desdobramento político regional: uma crise diplomática entre os governos do Peru e da Venezuela, desencadeada pela decisão do presidente venezuelano, Hugo Chávez, de retirar na noite de quinta-feira o embaixador de seu país em Lima, Gustavo Gómez. Como resposta, o governo peruano fez o mesmo, chamando de volta seu embaixador em Caracas, Luis Marchand.Pivô do escândalo de corrupção que levou à derrocada do presidente Alberto Fujimori, Montesinos foi detido no sábado na Venezuela, onde estaria escondido desde dezembro, sob proteção de autoridades militares e civis. Ele foi deportado segunda-feira para Lima, após uma caçada confusa da qual tomaram parte o FBI (a polícia federal norte-americana), policiais peruanos e um guarda-costas de Montesinos, que o traiu.Em discurso transmitido ao vivo em rede nacional de rádio e TV Chávez acusou o Peru de ter agido "nas costas do governo soberano da Venezuela" para montar uma operação unilateral e insistiu em que, por trás de tudo, está uma conspiração internacional para derrubá-lo, capitaneada por ex-presidentes venezuelanos, seus inimigos.Ele afirmou que esse complô visa a castigá-lo porque a Venezuela não se somou à corrente mundial da "globalização" e do "neoliberalismo". Mas disse esperar que o presidente eleito do Peru, Alejandro Toledo, "ponha as coisas no lugar", após sua posse, no fim de julho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.