Monti: crise italiana poderia ter destruído zona do euro

O primeiro-ministro italiano, Mario Monti, advertiu neste sábado contra o avanço do populismo na Europa e afirmou que o seu governo de 13 meses conseguiu estabilizar o país e evitar uma possível ruptura da zona do euro.

LETICIA PAKULSKI, Agência Estado

08 de dezembro de 2012 | 13h25

Neste sábado, o ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi anunciou que iria se candidatar às eleições do próximo ano para o cargo de premiê. Na quinta-feira (06), o partido de Berlusconi, Povo da Liberdade (PDL, na sigla em italiano), arquitetou uma greve em massa durante uma votação no Senado sobre medidas governamentais destinadas a promover o crescimento. Na sexta (07), a sigla retirou o apoio ao governo de Monti, que enfrenta a perspectiva de um fim precoce. As eleições, inicialmente previstas para abril, poderão ser antecipadas.

"O populismo tende a esconder a complexidade dos problemas dos eleitores, alavancando seus interesses imediatos", afirmou Monti, em uma conferência em Cannes, no sul da França. O premiê ressaltou ainda que seu governo conseguiu evitar uma crise que poderia ter destruído a zona do euro. "Treze meses atrás, havia um incêndio potencial que poderia ter feito explodir a zona do euro de forma definitiva", disse Monti. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
ItáliacriseMonti

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.