Moody's coloca dívida japonesa em revisão para possível baixa

Agência rebaixou a dívida soberana japonesa de 'estável' a 'negativa' e disse que, sem uma estratégia efetiva, débito do Japão , 'aumentará inexoravelmente'

Efe,

31 de maio de 2011 | 03h00

TÓQUIO - A agência Moody's anunciou nesta terça-feira, 31, que irá revisar uma possível baixa a classificação de risco da dívida do Japão, perante as dificuldades do governo para estabelecer e alcançar um objetivo "crível" de redução do déficit público.

 

A agência, que no final de fevereiro rebaixou a perspectiva da dívida soberana japonesa de "estável" a "negativa" (Aa2), indicou que, sem uma estratégia efetiva, a dívida do Japão, que está "muito acima" da de outras economias desenvolvidas, "aumentará inexoravelmente".

 

"Os custos econômicos e fiscais do terremoto de 11 de março, muito maiores que o esperado inicialmente", agravaram os efeitos adversos da crise financeira global sobre o Japão, cuja economia ainda não havia se recuperado totalmente, assinala a Moody's.

 

A agência destaca a preocupação com o fato de que as "instáveis" perspectivas de crescimento econômico e "uma resposta política débil" podem complicar ainda mais a capacidade do governo para reduzir o déficit.

 

A Moody's também se refere à "vulnerabilidade" de uma estratégia de consolidação fiscal a longo prazo perante a cada vez maior pressão demográfica.

 

A agência insiste, no entanto, que uma crise de dívida é "improvável" a curto e médio prazo, embora aponte que a longo prazo pode haver pressões que devem ser levadas em conta à hora de qualificar o risco.

 

A dívida pública do Japão supera em duas vezes seu Produto Interno Bruto (PIB), e é a maior de um país industrializado.

 

O anúncio da Moody's acontece depois que na última sexta-feira a agência Fitch rebaixou a perspectiva da qualificação creditícia da dívida japonesa de "estável" a "negativa" e advertiu sobre o "crescente endividamento do governo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.