AFP PHOTO / KCNA
AFP PHOTO / KCNA

Líderes da Coreia do Sul e da China decidem reforçar cooperação contra Pyongyang

Novo presidente sul-coreano, Moon Jae-in, disse a Xi Jinping que a Coreia do Norte precisa parar de fazer provocações para que as tensões com EUA sejam resolvidas

O Estado de S.Paulo

11 Maio 2017 | 04h10
Atualizado 11 Maio 2017 | 08h02

SEUL - O novo presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, disse ao líder chinês, Xi Jinping, nesta quinta-feira, 11, que a Coreia do Norte precisa parar de fazer provocações para que as tensões sobre a instalação de um sistema de defesa antimísseis dos EUA no território sul-coreano sejam resolvidas, de acordo com autoridades. Eles concordaram em melhorar os laços entre os dois países e cooperar para conseguir a desnuclearização da península coreana. 

Moon chegou ao poder com a promessa de rever a instalação do sistema antimísseis THAAD, cuja instalação tem a oposição da China, mas está sendo implementado na Coreia do Sul como uma demonstração de força contra as contínuas provocações de Pyongyang.

No primeiro contato direto entre os dois líderes - uma ligação telefônica que durou cerca de 40 minutos -, Xi explicou a posição da China, disse Yoon Young-chan, porta-voz do gabinete presidencial sul-coreano, sem fornecer detalhes.

A China se opõe firmemente à instalação do sistema de defesa, afirmando que desestabiliza o equilíbrio na segurança regional, e tem agido timidamente para limitar a ameaça representada pelos programas nuclear e de mísseis da Coreia do Norte, que têm sido testados por Pyongyang em desafio à pressão dos EUA e às sanções da ONU.

"O presidente Moon disse que compreende o interesse da China na instalação do THAAD e suas preocupações, e espera que os dois países possam rapidamente ingressar em comunicações para melhorar o compreendimento mútuo", afirmou Yoon a repórteres. "O presidente Moon disse que a questão do THAAD pode ser resolvida quando não houver mais provocação da Coreia do Norte", ressaltou o porta-voz. / REUTERS e EFE

Veja abaixo: China exige paralisação do escudo antimíssil americano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.