Moradores das Malvinas dão início a referendo Litígio vem do século 19

Ilhéus decidem se soberania britânica será mantida; Argentina não reconhece votação

BUENOS AIRES, O Estado de S.Paulo

11 de março de 2013 | 02h04

Os habitantes das Ilhas Malvinas iniciaram ontem um referendo para decidir se o arquipélago permanecerá sob o domínio da Grã-Bretanha ou passa para o controle da Argentina, cujo governo reivindica soberania sobre o território. Buenos Aires, porém, recusa a validade jurídica da consulta, pois ela se limita aos "kelpers", como são conhecidos os britânicos que moram nas ilhas.

Apesar do dia frio e chuvoso, moradores das Malvinas formaram longas filas, muitos deles vestidos com estampas tricolores da bandeira britânica, diante das seções eleitorais.

A embaixadora argentina em Londres, Alicia Castro, voltou a afirmar que a consulta não deve ter valor jurídico. "Apenas cidadãos britânicos participam (do referendo). Ele é organizado por e para britânicos, com o objetivo de dizer que devem seguir sendo britânicos."

Um total de 1.672 eleitores - amplamente superados em número nas ilhas pela população de 1 milhão de pinguins e 700 mil ovelhas - respondem até o fim do dia de hoje "sim" ou "não" para a pergunta: "Você deseja que as Ilhas Falklands (como as denominam os britânicos) permaneçam com seu atual status político de Território Ultramarino da Grã-Bretanha?".

A alternativa seria iniciar uma transição para o controle argentino, talvez a partir de um período de soberania compartilhada, como sugeriu o governo do país latino-americano. A votação ocorre mais de três décadas após a Argentina ter tentado resolver à força a questão, invadindo as ilhas e perdendo uma guerra de dez semanas - que custou as vidas de 255 militares britânicos e 649 soldados argentinos, assim como as de 3 civis.

A esmagadora maioria dos moradores das ilhas é de cidadãos britânicos e analistas políticos locais esperam que os votos para que se mantenha o atual status fiquem pouco abaixo dos 100%.

Conflito. Na Argentina e na Grã-Bretanha, a Guerra das Malvinas, de 1982, causou mudanças profundas. Do lado argentino, a ditadura militar, que lançou a invasão ao arquipélago, acabou desacreditada e caiu. Do lado britânico, a vitória no extremo sul do continente americano garantiu, pouco depois, o triunfo eleitoral da primeira-ministra Margaret Thatcher, que enfrentava uma profunda crise política.

Mas nos últimos anos, a antiga animosidade retornou, impulsionada por uma dura campanha da presidente argentina, Cristina Kirchner, que adotou inúmeras medidas com intenção de impor pressão econômica aos ilhéus, entre elas a proibição de que navios de cruzeiro partam de portos argentinos em direção ao arquipélago.

O referendo foi rejeitado pela presidente Cristina, para quem os ilhéus são "implantes coloniais" da Grã-Bretanha. O ministro das Relações Exteriores argentino, Héctor Timerman, chama os moradores do arquipélago de "colonos", mostrando a mesma dureza. "Os ilhéus das Malvinas não existem", afirmou.

No último comunicado sobre o tema antes da votação, no sábado, a chancelaria argentina afirmou que o referendo "não porá fim à disputa de soberania".

A posição agressiva da Argentina, acompanhada certas vezes de insinuações beligerantes de militares e políticos do país latino-americano que não excluem outra possível tentativa de tomar as ilhas à força, tem sido rejeitada pelo primeiro-ministro britânico, David Cameron.

Funcionários do premiê têm afirmado que ele é consciente de que perder o arquipélago em uma nova invasão argentina provavelmente amaldiçoaria seu governo nas urnas. Cameron conduziu uma intensa revisão da presença das forças britânicas presentes nas ilhas, que incluiu o destacamento de um batalhão com 1,2 mil soldados, a construção de uma base aérea, a permanência por todo o ano de quatro caças-bombardeiros Typhoon na região e, segundo afirmam alguns relatórios britânicos, o destacamento de um submarino nuclear para o Atlântico Sul.

Mas a resposta de Cameron é tanto política como militar. Apesar de o referendo ter sido formalmente convocado pelo governo eleito por voto popular, a manobra foi pensada a partir de estritas consultas com o governo de Londres. Funcionários da chancelaria britânica veem a ratificação da opção dos ilhéus em permanecer britânicos como uma maneira de trazer o debate internacional para seu direito de autodeterminação, o que substituiria a batalha colonial atualmente em andamento. / NYT e AFP

Tanto a Argentina quanto a Grã-Bretanha reivindicam a soberania sobre o arquipélago das Ilhas Malvinas ("Falklands", para os britânicos), no extremo da América do Sul.

Buenos Aires afirma que as ilhas estão dentro de seu mar territorial - Porto Stanley fica a pouco mais de 500 quilômetros do território continental argentino e a 13 mil quilômetros da Grã-Bretanha - e, desde o início da história argentina, pertenciam ao país.

Londres argumenta que ocupa continuamente as Malvinas desde 1830 e os habitantes locais, conhecidos como "kelpers", consideram-se súditos da coroa britânica.

Após a independência argentina, em 1816, Buenos Aires assumiu o controle de assentamentos já estabelecidos nas Malvinas. Esse evento seguiu-se a uma intrincada história colonial que remonta ao século 16, em que as ilhas foram reivindicadas, em algum momento, por Grã-Bretanha, França, Portugal e Espanha.

Os argentinos capturaram três embarcações dos EUA por pesca ilegal, em 1831. Os americanos atacaram em represália e declararam as ilhas independentes. E, em 1833, os britânicos conquistaram de vez o arquipélago.

Em abril de 1982, tropas enviadas da ditadura argentina ocuparam as Malvinas. A Grã-Bretanha acionou seu maior destacamento naval desde a 2.ª Guerra e, depois de 74 dias de combate, retomou as ilhas. A derrota militar acabou por derrubar a ditadura argentina, um ano depois.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.