Loren Elliott/Tampa Bay Times via The New York Times
Loren Elliott/Tampa Bay Times via The New York Times

Moradores de Orlando fazem doação de sangue recorde após ataque de atirador

Após o anúncio de que os hospitais precisavam de sangue para atender aos feridos, milhares de pessoas começaram a fazer longas filas para doar plasma e abarrotar os bancos de sangue da cidade

O Estado de S. Paulo

13 Junho 2016 | 16h25

ORLANDO - Os moradores de Orlando (EUA) responderam neste domingo ao massacre na boate gay da cidade na qual morreram pelo menos 50 pessoas com uma doação de sangue que não se via desde os atentados do dia 11 de Setembro de 2001, informaram fontes da organização OneBlood.

Susan Forbes, vice-presidente de comunicação da organização de coleta de sangue, explicou à agência EFE que no dia, cerca de 35 mil pessoas doaram sangue na cidade da Flórida, consternada com um massacre que deixou mais de 50 pessoas feridas, algumas delas em estado crítico.

Após o anúncio de que os hospitais precisavam de sangue para atender aos feridos, milhares de pessoas começaram a fazer longas filas para doar plasma e abarrotar os bancos de sangue da cidade.

"A comunidade respondeu de maneira instantânea e em apenas um centro de coleta de sangue vieram entre 5 e 7 mil pessoas, números sem precedentes e similares aos registrados após os atentados do dia 11 de setembro de 2011", disse.

No entanto, Susan afirmou que precisam de que nos próximos dias se mantenha este fluxo porque os feridos podem precisar de muito sangue e as reservas podem cair a qualquer momento.

Como demonstração de solidariedade, a cerca de dois quilômetros da boate Pulse, onde aconteceu o maior massacre nos EUA com arma de fogo, pessoas levaram comida para as pessoas que esperavam pacientemente para doar sangue. EFE

Mais conteúdo sobre:
EUAOrlandoBoate Pulse

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.