Cyneida Correia / Estadão
Cyneida Correia / Estadão

Moradores invadem abrigo em Roraima e expulsam imigrantes venezuelanos

Protestos, que vinham sendo organizados pela internet, começaram no domingo, após briga ter causado a morte de duas pessoas

Cyneida Correia, Especial para o Estado / BOA VISTA, especial para O Estado

20 Março 2018 | 10h29
Atualizado 20 Março 2018 | 20h58

Um grupo de 300 brasileiros expulsou nesta terça-feira de um abrigo improvisado de Boa Vista cerca de 200 venezuelanos – entre eles, mulheres e crianças. A confusão ocorreu depois que uma briga, no domingo, deixou um brasileiro e um venezuelano mortos no município de Mucajaí, a 50 quilômetros da capital de Roraima.

A chegada de mais de 40 mil imigrantes venezuelanos a Roraima tem aumentado a tensão no Estado, que faz fronteira com a Venezuela. As últimas manifestações vinham sendo organizadas em redes sociais, após as mortes do brasileiro Eulis Marinho de Sousa, de 49 anos, e do venezuelano Luiz José Figuera Gullen, de 19 anos, em Mucajaí.

Um venezuelano foi preso, acusado pelo crime, e encaminhado para a Penitenciária Agrícola de Monte Cristo. Na segunda-feira, durante o enterro do brasileiro, o protesto saiu do controle e mais de 300 pessoas invadiram um abrigo, retiraram os imigrantes do local, jogaram móveis, roupas e objetos na rua e atearam fogo. 

 

Brasil vai permitir residência permanente a imigrantes da Venezuela 

Os venezuelanos fugiram. Eles viviam em um abrigo improvisado em uma escola abandonada que contava com a ajuda do Estado. “Nós tivemos conhecimento da confusão e depois saímos para procurar os venezuelanos e oferecer ajuda, mas não encontramos mais ninguém na cidade e não sabemos para onde foram, apenas que alguns pegaram carona para Boa Vista”, disse a prefeita de Mucajaí, Eronildes Aparecida Gonçalves. “Também não fomos procurados por ninguém. O que podemos informar é que eles não estão mais na cidade.”

 

O grupo de brasileiros interditou por mais de 2 horas o trecho urbano da principal rodovia da cidade, a BR-174, que liga Roraima ao Amazonas, com barricadas feitas de paus e pedras, além de pneus queimados. 

 

Venezuelanos que estão em Roraima serão distribuídos por SP, PR, AM e MS, diz Jungmann

Um dos líderes do protesto foi o pastor evangélico João Batista. “Não aguentamos mais a presença deles. Queremos que as autoridades façam alguma coisa. Há muitos roubos e furtos em nossa cidade”, afirmou.

A prefeitura de Mucajaí ainda tenta encontrar os venezuelanos. “Não sabemos onde estão”, diz a prefeita. Nesta terça-feira, em Pacaraima, na fronteira com a Venezuela, moradores invadiram as ruas com bandeiras brasileiras em protesto contra a construção de um novo abrigo na quadra de esportes da cidade. 

De acordo com a dona de casa Waldenora Maia, Pacaraima não consegue mais atender a demanda de imigrantes e está sem água, medicamentos e vagas nos hospitais. Ela também reclamou do aumento da violência na região.

“A gota d’água foi quando as autoridades quiseram transformar nossa única quadra em um abrigo para os venezuelanos. O local é o único usado como lazer, onde ocorrem shows, exposições e eventos culturais. Agora, não poderá ser mais usado”, disse Waldenora.

Nesta terça-feira, durante os protestos, os moradores da cidade realizaram uma carreata pedindo o fim do que chamam de “invasão venezuelana” em Pacaraima. A manifestação ocorreu após o protesto de Mucajaí. Em Boa Vista, uma nova manifestação foi marcada para sábado na Praça Simón Bolívar, onde estão abrigados mais de mil venezuelanos.

 

Outros casos

Em fevereiro, dois incêndios com três dias de diferença no bairro Mecejana, na zona oeste de Boa Vista, deixaram ao menos cinco venezuelanos feridos, incluindo uma criança de três anos. 

No primeiro caso, um homem e uma mulher foram atingidos pelo fogo enquanto dormiam na madrugada do dia 5. O segundo ataque deixou feridos uma menina de 3 anos e seus pais, que dormiam no quarto de uma casa onde vivem 13 venezuelanos - 7 adultos e 6 crianças.

A polícia civil de Roraima prendeu o guianense Gordon Fowler, de 42 anos, acusado de ser o responsável pelos dois ataques. Ouvido pela polícia, ele disse que “não se arrepende do que fez”, mas que não “pretendia ferir mulheres e crianças”.

Fowler vivia em Boa Vista há dois anos, mas não tinha residência fixa. A polícia afirmou que ele atuou “por vingança” contra os venezuelanos depois de ter uma bicicleta roubada e ser agredido por imigrantes do país vizinho.

Ele foi autuado em flagrante por tripla tentativa de homicídio qualificado por motivo torpe e uso de recurso que dificultou a defesa das vítimas, que estavam dormindo no momento dos ataques.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.