Morales acusa Bush de 'sabotar' governo boliviano

O presidente da Bolívia, Evo Morales, disse hoje em Caracas, na Venezuela, que o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, tenta "sabotar" seu governo. Segundo ele, o fato do governo norte-americano ter suspendido as isenções fiscais de que se beneficiavam os produtos bolivianos para entrar no mercado dos EUA é uma prova disso. Morales afirmou que a medida adotada pelo governo Bush procura "sabotar o governo boliviano" e é uma represália porque "nos opomos" às iniciativas de livre-comércio que os EUA defendem."Lamentavelmente, os EUA começaram a chantagear, condicionar, boicotar e sabotar o governo boliviano", disse Morales, acompanhado do seu colega venezuelano, Hugo Chávez. "Quando nos opomos às políticas dos EUA, Washington decide cortar as importações dos nossos têxteis", afirmou. Em 23 de outubro, a secretária de Estado norte-americana, Condoleezza Rice, anunciou que os EUA irão "separar a Bolívia dos benefícios tarifários", porque "observamos uma crescente falta de cooperação" do país na luta contra as drogas."Quero que o povo da Venezuela e do mundo inteiro saibam que, dentro da região andina, não existe país que lute mais contra os narcóticos que a Bolívia, respeitando os direitos humanos", afirmou Morales. "Não obstante, esse país (os EUA) não castiga o país onde existe mais narcotráfico, mais incremento no cultivo da folha de coca", disse Morales, em alusão à Colômbia. Ele afirmou que os EUA nunca "castigarão um país que é pró-Estados Unidos, pró-capitalismo, pró-imperialismo", também em referência à Colômbia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.