Morales acusa Sánchez de Lozada de "genocídio"

O deputado e líder cocalero Evo Morales - um dos principais condutores dos protestos que derrubaram o governo de Gonzalo Sánchez de Lozada - apresentou à procuradoria-geral, com sede em Sucre, uma acusação de "genocídio" contra o ex-presidente boliviano. Morales atribui a Sánchez de Lozada a responsabilidade pelas mortes na repressão aos protestos dos indígenas.O ex-presidente se exilou nos EUA, para onde viajou logo depois de renunciar, na sexta-feira. Como os supostos crimes foram cometidos durante o período em que estava na presidência, a denúncia contra Sánchez de Lozada deve ser submetida à Câmara de Deputados. Em caso de aprovação, a causa será julgada pelo Senado. Até o dia da renúncia, a coalizão que dava apoio a Sánchez de Lozada tinha pouco mais de 50% da bancada em ambas as casas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.