Morales anuncia expulsão dos corruptos de seu partido

O presidente da Bolívia, Evo Morales, se declarou na quarta-feira, 14, decepcionado com os casos de corrupção denunciados no seu partido, o Movimento Ao Socialismo (MAS), e anunciou que expulsará os culpados de atos imorais, se forem comprovados.Em entrevista coletiva no Palácio do governo de La Paz, o presidente boliviano disse que vai afastar alguns legisladores por tráfico de influência, denunciado há várias semanas por um jornal.A decisão é conseqüência da revelação da existência de "recomendações", emitidas por dirigentes sindicais e políticos aliados do governo socialista, para empregar pessoas.O grave do caso é que as "recomendações" tiveram um preço de US$ 300 a US$ 1.000, denunciado por pessoas que pagaram e não obtiveram o cargo que pediram.Morales sentenciou que os "dirigentes do MAS que tenham cobrado por cargos devem ser expulsos imediatamente e processados para serem julgados e presos". "Não haverá perdão" para os culpados, garantiu."Eu lamento muito. Eu e alguns companheiros nos esforçamos para dignificar o movimento sindical. Eu venho da lutas sindicais, das classes oprimidas. Para mim é uma grande decepção", admitiu.Ele acrescentou que os senadores, deputados e constituintes socialistas que participaram da irregularidade "devem renunciar a sua imunidade, sem perder seu mandato, e se submeter à Justiça".Morales lembrou que "gente de fora do MAS se aproveitou das recomendações", e também terá que responder à Justiça.A cúpula do partido resolveu proibir o mecanismo utilizado pelos militantes socialistas para postular um cargo público. Outra medida tomada foi o recadastramento dos militantes em todo o país "para fazer uma profunda limpeza" e evitar a corrupção.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.