Morales apresenta projeto lei para poder cassar governadores

O presidente da Bolívia, Evo Morales, entregou nesta segunda ao Congresso um projeto de lei que permite ao Legislativo censurar os governadores, que poderão até ser destituídos pelo governo federal. A proposta é uma das causas do rompimento de relações com Morales por parte de seis dos nove governadores regionais do país. No domingo, eles denunciaram que suas cabeças estarão "nas mãos da maioria" do partido do Governo no Congresso. Entre os governadores estão os de La Paz, Santa Cruz, Beni, Pando, Tarija e Cochabamba, que somam cerca de 80% da população e 84% do Produto Interno Bruto (PIB) da Bolívia. Os outros são os dos departamentos de Oruro e Potosí e de Chuquisaca, que pertencem ao próprio partido de Morales. O projeto de lei precisa ser aprovado por dois terços dos parlamentares, ou seja, com participação da oposição. Ele também permite aos parlamentares interpelar e censurar ministros. Morales defendeu o projeto argumentando que ele leva à fiscalização e à transparência na gestão dos recursos de cada região. Segundo Morales, o Executivo não tem "nenhuma má intenção" em relação aos governadores, mas deseja fiscalizar suas despesas para que "não sejam acusados falsamente de corrupção e malversação". O vice-ministro de Descentralização, Fabian Yaksic, afirmou à Efe que a necessidade de contar com dois terços do Congresso "descarta qualquer dúvida ou possibilidade de intenção política".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.