Morales assume neste domingo a presidência da Bolívia

Mais de cem convidados assistirão amanhã à posse de Evo Morales como presidente da Bolívia, entre eles uma dezena de líderes, além de altos funcionários e representantes políticos e sociais de todos os continentes.Os presidentes do Equador, da Colômbia, da República Árabe Democrática Saarauí (RADS) e da Eslovênia já estão em La Paz e espera-se que os outros convidados cheguem nas próximas horas. O presidente equatoriano, Alfredo Palacio, chegou ao meio-dia de hoje a La Paz com sua esposa María Beatriz Paret. Ele se juntou aos colegas da Eslovênia, Janez Drnovsek, e da RADS, Mohammed Abdelaziz, que estão desde sexta-feira no país.Ainda devem desembarcar na cidade andina o presidente venezuelano, Hugo Chávez, e a governante das Antilhas Holandesas, Etienne Néstor Ys.O presidente Luiz Inácio Lula da Silva participará da cerimônia. Estarão também presentes o presidente argentino Néstor Kirchner; o panamenho Martín Torrijos; o peruano Alejandro Toledo e o paraguaio Nicanor Duarte.O herdeiro da Coroa espanhola, Felipe de Borbón, pretende ainda reunir-se com o presidente em fim de mandato, Eduardo Rodríguez, no Palácio de Governo, e depois com Evo Morales.A Bolívia ainda contará amanhã com a presença do Chefe de Estado chileno, Ricardo Lagos, em uma visita histórica para as relações bilaterais porque se trata do primeiro governante desse país a assistir a uma posse presidencial boliviana.O governante cubano, Fidel Castro, cuja presença era esperada, desistiu de assistir ao ato. Ele enviou em seu lugar o vice-presidente do Conselho de Estado, Carlos Lage, que já está em La Paz.Já chegaram à Bolívia o secretário de Estado adjunto dos EUA para Assuntos da América Latina, Thomas Shannon, com quem Morales se reunirá no fim de semana, assim como o vice-presidente da República Dominicana, Rafael Albuquerque.Enviados especiais de El Salvador, Jamaica, Barbados, Honduras, Guatemala, China, Portugal, França, Noruega, Indonésia, Irã, Croácia, Hungria, Japão, Nigéria, Turquia, Ucrânia e Tailândia também devem chegar ao país andino.A Diplomacia boliviana destacou que a presença de tantas missões oficiais, que serão protegidas por 12 mil agentes da Polícia e do Exército, é um fato sem precedentes na história do país.As autoridades estimam que cerca de 200 mil pessoas procedentes de diferentes pontos do planeta se encontrarão em La Paz durante o fim de semana.Será uma inundação de visitantes em uma cidade tranqüila de apenas um milhão de habitantes que nunca em sua história presenciou uma posse presidencial com tanto interesse internacional.Trata-se de uma posse sem precedentes, tanto pelo número de convidados e jornalistas credenciados, em torno de mil, como pela originalidade das atividades que envolvem a cerimônia.Morales foi investido hoje como "chefe supremo dos indígenas dos Andes" em um antigo ritual indígena realizado no local sagrado de Tiwanaku, perto de La Paz. Descalço, vestido com um poncho vermelho e usando uma coroa de flores, Morales foi entronizado em uma cerimônia nas ruínas pré-incaicas, onde os sacerdotes lhe transmitiram energia e poderes espirituais para ajudá-lo nos cinco anos de mandato.Sua posse diante dos novos membros do Congresso, que também será presidido por parlamentares quíchuas no Senado e na Câmara dos Deputados, acontecerá em uma sessão que começa às 13h30 (15h30 em Brasília).Ao final da cerimônia oficial, em que Morales receberá a faixa presidencial e uma medalha que pertenceu ao Libertador Simón Bolívar, o novo governante será recebido no Palácio como Capitão Geral das Forças Armadas.A posse presidencial será encerrada com um ato na Praça dos Heróis de La Paz, um cenário usado por movimentos sociais da Bolívia para suas manifestações.Morales chegará escoltado, primeiro pelo Exército, e depois por colunas de mineradores e camponeses, para um ato preparado como uma festa popular com danças e música de todas as regiões do país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.