Morales critica EUA no caso Posada Carriles

O presidente da Bolívia, Evo Morales, criticou os Estados Unidos por darem proteção ao dissidente cubano Luis Posada Carriles e aproveitou para elogiar o presidente de Cuba, Fidel Castro, que considerou um "símbolo" da libertação da América Latina.As declarações do governante boliviano foram dadas nesta sexta-feira, 20, na apresentação de uma reedição do livro "Cem horas com Fidel", do jornalista espanhol Ignacio Ramonet. O ato foi realizado no Palácio do Governo da cidade de La Paz.O Governo da Venezuela pede aos EUA a extradição de Posada Carriles, que tem nacionalidade venezuelana. Ele é acusado de vários atos terroristas, entre eles atentados contra hotéis em Cuba e a explosão de um avião cubano em 1976, que causou 73 mortes.O presidente da Bolívia disse que "não se pode entender" a atitude do Governo americano, em cujo território "verdadeiros terroristas, delinqüentes corruptos se abrigam" enquanto seus líderes "falam de luta contra terrorismo, contra o crime e a corrupção".Morales lembrou o caso do ex-presidente da Bolívia Gonzalo Sánchez de Lozada, que a Justiça boliviana não pode processar porque está refugiado nos Estados Unidos."Não podemos entender que alguns Governos encubram corruptos como Sánchez de Lozada", disse o líder boliviano, um dos aliados mais firmes de Cuba e Venezuela, desde que assumiu o cargo, em janeiro de 2006.Ele também agradeceu pela ajuda cubana a seu Governo, e condenou a ação militar de alguns países que não mencionou."Tomara que um dia novos Governos dos Estados Unidos possam fazer justiça com a humanidade, porque é responsabilidade de todos nós combater o terrorismo, o crime e a corrupção", afirmou.No ato, o líder boliviano voltou a agradecer a Castro e a Hugo Chávez, presidente venezuelano, pela cooperação com o seu Governo, também de perfil socialista."Há países que mandam tropas para salvar vidas, mas também há países que mandam tropas para matar", disse Morales. Ele falou de Cuba como "o país mais agredido pelo império e o mais solidário com os povos" pobres.Para ele, "Fidel continua sendo o comandante supremo das forças libertárias da América", e previu que provavelmente "os analistas que desinformam" criticarão o seu comentário."O companheiro Fidel é verdadeiramente um sábio, é símbolo de dignidade, de libertação dos povos de todo o mundo e sua preocupação é salvar a humanidade", insistiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.