Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Morales defende a paz, mas defende manutenção do exército

O presidente da Bolívia, Evo Morales, afirmou nesta quarta-feira, 7, em Tóquio que a renúncia à guerra não quer dizerterminar com as Forças Armadas e apoiou o Japão em sua política contra as armas nucleares.Em seu terceiro dia de visita ao Japão, o governante semanifestou contra o uso do Exército pelas potências "para manter monopólios e hegemonias"."Para que queremos a guerra?", perguntou, em declarações àimprensa. Ele se alinhou a países como o Japão na defesa dadesnuclearização e lembrou a necessidade de discutir nos fóruns internacionais "a defesa da vida e a proteção do planeta".Na manhã desta quarta-feira, Morales se reuniu com representantes de empresas importadoras de produtos orgânicos e de companhias metalúrgicas e mineradoras do Japão. Ele respondeu a dúvidas sobre a forte cargatributária boliviana.Segundo disse um porta-voz presidencial, Morales explicou aos empresários que a alta de impostos coincide com épocasde produção elevada, a fim de guardar reservas para quando a demanda cair.O presidente boliviano promoveu uma "relação triangular" entre os governos de Tóquio e La Paz e os empresários.A aliança estratégica bilateral deverá ser "sustentável", disse Morales, sugerindo que o intercâmbio entre os dois países tenha como "centro de gravidade" a Agência Japonesa de Coordenação Internacional, por sua grande contribuição técnica e financeira.Após uma reunião com o presidente do Banco Internacional deCooperação Internacional (JBIC) e um encontro com a Liga Parlamentar de Amizade Japão-Bolívia, Morales jantará nesta quarta-feira com o presidente da empresa Sumitomo, importadora com interesses na Bolívia.Na quinta-feira, 8, ele conclui sua visita com uma audiência com o imperador Akhito e uma entrevista coletiva no Centro de Imprensa do Japão.

Agencia Estado,

07 de março de 2007 | 02h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.