Morales diz que ainda não se acostumou a ser chefe de Estado

O presidente da Bolívia, Evo Morales, confessou na segunda-feira que custa a se habituar com seus trabalhos como chefe de Estado e que ainda se sente um dirigente camponês."Eu mesmo ainda não acredito. Ainda me sinto presidente das federações de produtores da coca de Chapare", disse Morales num discurso a vários líderes sindicais, comemorando o primeiro aniversário de sua vitória eleitoral.Em seu discurso, Morales revelou que horas após ser designado candidato pelo Movimento Ao Socialismo (MAS), renunciou à candidatura porque "preferia o sindicalismo para defender os direitos" de seus companheiros."Agora sim estou muito mais convencido de que a força do povo faz a história. É a força motriz que muda modelos econômicos e presidentes e pode mudar a América Latina", afirmou.Morales disse ainda que "alguns setores diziam antes que esse indiozinho não ia poder governar, mas agora dizem que parece que esse indiozinho vai ficar por vários anos" no governo.Ele manteve as suas críticas à imprensa, denunciando uma suposta intenção de prejudicar seu governo com o que chamou de falsas informações de fuga de depósitos bancários e uma suposta intenção de fechar os colégios privados.O presidente boliviano voltou a acusar alguns grupos de oposição de resistir a seu projeto de mudanças na estrutura estatal, através de uma nova Constituição.Sob aplausos de 100 seguidores no Palácio de Governo, Morales afirmou que "o movimento é imparável, com Evo ou sem Evo".Em 18 de dezembro de 2005, Morales ganhou as eleições na Bolívia com 53,7% dos votos, a maior votação obtida por um candidato nas últimas décadas. Em 22 de janeiro, o presidente boliviano fará um balanço no Congresso Nacional do primeiro de seus cinco anos de mandato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.