Morales diz que discutirá preço do gás natural com Lula

O presidente da Bolívia, Evo Morales, afirmou que analisará com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva o acordo vigente entre os dois países sobre os hidrocarbonetos. "Vamos abordar a questão do preço do gás natural e dos volumes exportados", disse. Este ano, o Brasil cortou parte das importações de gás boliviano, o que teve impactos na economia do país vizinho. Segundo Morales, também serão discutidas negociações pendentes entre as estatais petrolíferas do Brasil e da Bolívia e que já foram abordadas em outras reuniões entre os dois presidentes, além de outras questões como o combate ao narcotráfico e "temas políticos de caráter latino-americano".

AE-AP, Agencia Estado

19 de agosto de 2009 | 14h25

O encontro será na manhã deste sábado, na região cocaleira do Chapare, no centro da Bolívia, pouco antes de um ato político público. Desde 1996, a Bolívia abastece boa parte do gás natural consumido pelo Estado de São Paulo, o maior centro industrial do Brasil. Desde o começo deste ano, o Brasil reduziu seus volumes de compra, de 31 milhões de metros cúbicos diários para 24 milhões. A redução significou uma queda no faturamento da Bolívia, além da queda do preço do petróleo no mercado internacional, que afetou o preço do gás natural. O gás natural é o principal produto de exportação da Bolívia e o Brasil é o maior comprador. A Argentina também importa gás da Bolívia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.