Morales diz que governadores querem tirá-lo do governo

O presidente da Bolívia, Evo Morales, afirmou nesta segunda-feira que os governadores regionais opositores de La Paz, Santa Cruz, Cochabamba, Tarija, Beni e Pando planejam tirá-lo do poder, porque não aceitam as mudanças que realiza no país.A afirmação foi feita em discurso pronunciado por Morales na remota localidade de Curral Queimado, fronteiriça com o Chile, onde assistiu à inauguração de obras para levar eletricidade a essa região, informou a Agência Boliviana de Informação ("ABI", estatal).Segundo Morales, na reunião que realizaram os governadores desses departamentos, no dia 2 de julho, na cidade amazônica de Trinidad, capital de Beni, foi decidido que ele deveria ser tirado da Presidência antes da consolidação de seu governo, que ainda tem outros sete meses."O que planejaram é como tirar Evo Morales", afirmou o governante ao assinalar que os governadores que assistiram à reunião foram os de La Paz, José Luis Paredes; Santa Cruz, Rubén Costas; Cochabamba, Manfred Reyes Villa; Tarija, Mario Cossío; Beni, Ernesto Suárez; e Pando, Leopoldo Fernández.Os políticos citados, que formaram uma associação denominada Conselho Nacional de Governadores Regionais (Conapre), pertencem a partidos ou alianças opositoras ao Governo de Morales.Em Curral Queimado, Morales qualificou de "reacionários" os governadores regionais porque, segundo sua opinião, rejeitam mudanças como a nacionalização dos hidrocarbonetos decretada em maio e a reforma agrária que planeja concretizar em novembro.

Agencia Estado,

11 de setembro de 2006 | 07h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.