Morales diz que não devolverá armamento doados pelos EUA

O presidente boliviano, Evo Morales, acusou os Estados Unidos de agressão e anunciou que não devolverá o armamento doado pelos americanos a uma unidade antiterrorista das Forças Armadas bolivianas, como parte de uma ajuda militar suspensa na sexta-feira passada. "Estou recebendo muita agressão, muita provocação da embaixada dos Estados Unidos, portanto, do Governo dos Estados Unidos", disse Morales em entrevista coletiva a jornalistas estrangeiros no Palácio Quemado de La Paz, sede presidencial. Sob um retrato do líder guerrilheiro Ernesto Che Guevara, Morales pediu "transparência, sinceridade e responsabilidade" ao embaixador americano, David Greenlee. A assistência militar americana à Força Contra o Terrorismo Conjunta (FCTC) está avaliada em US$ 380 mil, dos quais US$ 70 mil correspondem a equipamentos e armas já entregues à unidade. A Embaixada dos EUA anunciou que pretende cobrá-los esta semana. Morales também advertiu que não "vai permitir a intromissão permanente da embaixada dos Estados Unidos usando alguns militares". Por meio de uma carta, o chefe da Missão Militar dos Estados Unidos na Bolívia, Daniel Barreto, comunicou a Morales na sexta-feira passada a decisão de Washington de retirar a assistência à FCTC e de pegar nessa sexta-feira o equipamento logístico e militar doado. "Em vez de pedir a devolução do armamento, os EUA deveriam nos devolver os mísseis e não desativá-los", disse. Morales fazia referência ao transporte e destruição do arsenal terra-ar do Exército boliviano, numa operação secreta feita durante o governo do ex-presidente Eduardo Rodríguez.

Agencia Estado,

09 Março 2006 | 01h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.