Morales insinua que EUA enviam terroristas para a Bolívia

O presidente da Bolívia, Evo Morales, insinuou nesta quarta-feira que os Estados Unidos poderiam estar enviando terroristas para seu país, ao comentar a prisão de um americano acusado de provocar duas explosões que deixaram 2 mortos e 8 feridos na noite da última terça-feira, em La Paz. "Há luta contra o terrorismo do governo dos Estados Unidos ou nos mandam americanos para fazer terrorismo na Bolívia?", perguntou Morales na cidade de Santa Cruz, onde inaugurou um plano para dar documentos de identidade a quase 2 milhões de bolivianos, com a ajuda da Venezuela. O governante boliviano qualificou as explosões de "atentados" contra a democracia boliviana, contra seu governo e contra a Assembléia Constituinte que será escolhida em julho próximo. Em metade de seu discurso, no qual fez balanço de seus dois primeiros meses de gestão, Morales expressou sua insatisfação com o atentado, e acusou Washington de ter uma dupla mensagem. Morales se declarou partidário da ideologia "antiimperialista" dos presidentes venezuelano, Hugo Chávez, e cubano, Fidel Castro, por isso é visto com receio pelo governo Bush. Na terça-feira à noite e na madrugada passada, duas pessoas morreram e outras oito ficaram feridas em conseqüência da explosão de duas bombas em diferentes hotéis do centro e do norte de La Paz. Pelos atentados, a polícia boliviana deteve o americano Claudio Lestat, natural da Califórnia e de aproximadamente 30 anos, e a uruguaia Alda Ribeiros, de aproximadamente 35 anos. Casal terrorista Segundo meios de imprensa locais, o americano tem antecedentes penais por terrorismo na Argentina e em outros países. Já a uruguaia Alda Ribeiros, detida na Bolívia em meio às investigações dos atentados disse que o culpado é o seu marido, o americano Claudio Lestat, também detido. "Devem matar meu marido, é preciso matá-lo, é preciso matá-lo", gritou Ribeiros a um grupo de jornalistas quando saía do Centro Especial de Pesquisas Policiais, na capital administrativa boliviana, para ser transferida sob a custódia da Polícia Técnica Judicial. A mulher garantiu que ela não é culpada pelos atentados executados com dinamite em dois hotéis de La Paz. Alda e Lestat foram detidos nesta madrugada na cidade vizinha de El Alto, poucas horas depois da detonação das bombas.

Agencia Estado,

22 Março 2006 | 16h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.