Morales quer mobilização para defender mudanças

O presidente da Bolívia, Evo Morales, ameaçou hoje voltar a mobilizar as massas, como fazia quando era líder sindical, caso o Congresso trave seu plano de convocar uma Assembléia Constituinte. Ele também conclamou as organizações sociais a vigiar o processo de mudanças empreendido por ele após ter assumido a presidência.Durante um encontro com líderes sindicais da combativa cidade de El Alto, realizado ontem à noite, Morales reconheceu que, apesar de ter vencido as eleições de maneira contundente, não tem dois terços de votos no Congresso para aprovar uma convocação à Assembléia Constituinte. "Será trabalho de nossos congressistas conquistar alguns votos, e, finalmente, será a força do povo boliviano que obrigará o Congresso a contar com os dois terços e aprovar a lei convocatória", afirmou o líder boliviano.Esta é a segunda vez desde que assumiu a presidência, há 10 dias, que Morales se reúne com líderes desta cidade vizinha a La Paz. El Alto, considerada uma das cidades mais pobres da Bolívia, foi cenário de violentos protestos sociais que deixaram 60 mortos e provocaram a queda do presidente Gonzalo Sánchez de Lozada, em outubro de 2003.A convocação de uma Assembléia Constituinte e a nacionalização do petróleo e do gás são as principais reivindicações políticas de Morales para materializar seu projeto de mudança social.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.