Reuters
Reuters

Morales se declara presidente reeleito na Bolívia

Pesquisa boca-de-urna dá 63% dos votosa Morales; líder diz ser obrigado a 'acelerar' o 'processo de mudança'

Marcia Carmo, BBC

07 de dezembro de 2009 | 06h48

O presidente da Bolívia, Evo Morales, disse ter sido reeleito com respaldo popular recorde das urnas e que o resultado mostra que o projeto de mudanças "já não é mais só de um partido", mas da maioria dos bolivianos.

"Tivemos uma votação de 63% e nossa responsabilidade agora é ainda maior. Também ganhamos os dois terços (maioria consolidada) no Congresso Nacional, o que me obriga a acelerar o processo de mudanças", disse ele, destacando que as mudanças serão através da regulamentação da nova Constituição, que será debatida pelos novos congressistas.

Morales discursou da varanda do palácio presidencial, na noite de domingo. Milhares de pessoas se concentraram na noite de domingo na Praça Murillo de La Paz, em frente ao Palácio de Governo, após a difusão das pesquisas de boca-de-urna que coincidem em uma ampla vitória de Morales, muito superior ao 53,7% que o levou à Presidência da Bolívia em 2005. Aos gritos de "Evo de novo", os simpatizantes erguiam bandeiras do país e a whipala, símbolo das comunidades indígenas.  Encorajados com música folclórica boliviana, os presentes, entre eles muitos jovens, indígenas e estrangeiros, aguardaram o discurso que o presidente.

O líder bolivariano disse que o "triunfo dos bolivianos" é "um justo reconhecimento aos governos e povos anti-imperialistas".

Morales destacou que a Alba (Alternativa Bolivariana para a América Latina e o Caribe) se reunirá nos próximos dias 13 e 14 e que agora, mais do que antes, tem a missão de "salvar a humanidade em seu conjunto".

Mais votos

As pesquisas de boca-de-urna indicaram que Morales obteve entre 61% e 63% dos votos.

Segundo as sondagens, ele ainda teria ganhado ou aumentado seu percentual de votos nas regiões que foram fortes opositoras durante seu primeiro mandato, como alguns dos departamentos da chamada "meia-lua", no leste do país - Santa Cruz, Tarija e Beni.

Se as projeções forem confirmadas, os votos para Morales terão aumentado em cerca de 10%. Em 2005, ele foi eleito com 53,7% dos votos. O novo mapa político indicaria que ele teria recebido votos de diferentes classes sociais e não só das comunidades indígenas (que representam cerca de 50% do país, mas não são unânimes em relação a Morales).

"Era falso dizer que a classe média tinha me abandonado", disse. Apesar das projeções, o candidato opositor, Manfred Reyes Villa, disse que as urnas mostraram que "o país continua dividido".

Esta eleição foi marcada por ineditismos. Morales, primeiro indígena a chegar ao poder, foi reeleito e com maioria no Congresso Nacional.

Ao mesmo tempo, pela primeira vez, os eleitores foram recadastrados, subindo de cerca de 3 milhões para mais de 5 milhões.

Foi ainda a estreia da votação no exterior e do sistema biométrico, com cada cédula de papel - mostrando foto, digital e assinatura do votante - ratificada na hora da votação. As mudanças não permitiram, porém, que a apuração oficial fosse acelerada.  

Ampliada com informações da EFE

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.